Opinião

Fim de linha para OS’s na Saúde; Estado retoma controle

10 de dezembro de 2019 às 11h59 Por Heron Cid

A melhor notícia do dia. Finalmente, a saúde da Paraíba vai se livrar das organizações sociais que sangraram cofres públicos, segundo repetidos relatórios do Tribunal de Contas e as investigações, com direito a confissões, no âmbito do Ministério Público/Gaeco.

A criação da fundação estatal que administrará hospitais paraibanos é um alívio depois de uma longa hemorragia que vitimou serviços e, especialmente, o erário, como está amplamente demonstrado e ninguém mais tem o cinismo de contestar.

Desde quando vieram as revelações sobre os bastidores de como agiam a Cruz Vermelha e suas ‘fornecedoras’, no desvio de recursos com sérias suspeitas de conivência, cumplicidade ou, em último caso, omissão de agentes públicos do governo anterior, este espaço, com o perdão do cabotinismo, se repetiu em apontar, de forma ponderada, que a relação Estado e OS’s tinha dado no osso, com trocadilho e tudo.

Em dezembro passado, ainda sob égide do governo Ricardo Coutinho, pontuamos em artigo intitulado “OS, a cruz que se carrega”“Pelo teor da investigação, não há um grama de filantropia. É negócio e canal por onde o crime se infiltra para sangrar dinheiro público. Depois desse calvário, o Estado tem a chance de refletir sobre o peso de carregar essa Cruz”. 

O governador João Azevêdo começou o ano e o mandato proclamando, em 25 de janeiro, a intervenção na “gestão pactuada” do Hospital de Trauma de João Pessoa, onde, conforme o Gaeco, concentrou-se uma célula criminosa suspeita de desviar cerca de R$ 200 milhões.

Em 5 de fevereiro de 2019, outro alerta em “A hora de sair da Cruz”: “Para o governador João Azevedo, mais do que a já instituída intervenção, o rompimento definitivo com a Cruz Vermelha – gestora dos hospitais de Trauma de João Pessoa, Metropolitano em Santa Rita e Geral de Mamanguape – passou da hora porque deixou de ser uma mera opção política”. 

Veio o Termo de Ajustamento de Conduta apertando as regras para habilitação e contratação de organizações sociais. Com ele, outro comentário, dessa vez, sob o título de “O TAC das OS’s e o novo parâmetro estabelecido”. Novo recorte do Blog: “Uma providência que chega oito anos depois da primeira celebração do contrato do Estado com a Cruz Vermelha, umas das OS’s em atividade no Estado. Antes tarde do que nunca…”

De lá para cá, o Estado removeu a Cruz Vermelha e a substituiu, emergencialmente, pela Acqua. Em 14 de outubro, voltamos ao tema no artigo: “Com hospitais sob intervenção, gestão via OS virou doença”. Nesse período, já se cogitava a solução de novos modelos, entre eles, empresa estatal, nos moldes da EBSERH, do Governo Federal.

No arremate, a constatação iminente: “O modelo adoeceu e virou paciente de UTI. O Governo que decretou a intervenção já precisa pensar na saída honrosa para salvar esse doente. A gestão pactuada, com OS’s forasteiras e inidôneas, foi deformada na essência e se provou totalmente prejudicial ao Estado. Se alguém ganhou com ela, certamente não foi a Paraíba”. 

E não foi mesmo.

A agonia chegou ao fim. O governador João Azevêdo chamou de volta à responsabilidade ao Estado no controle de contratação e administração hospitalar. As OS’s na saúde e seus descaminhos tortuosos são página virada na Paraíba. Quiçá, os escândalos, também.

A decisão é providência administrativa e restauração da mínima dignidade de uma saúde pública estadual que, vítima da doença da corrupção, padeceu de credibilidade. É o restabelecimento da imunidade do erário. Um governo sério não poderia conviver no mesmo ambiente com o vírus da vergonha.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.