Bastidores

Os milagres de ‘São Queiroz’

30 de junho de 2020 às 10h40

Onyx Lorenzoni que nada. Augusto Heleno e general Ramos coisa nenhuma. Só um homem botou um pouco de juízo e rédea no presidente Jair Bolsonaro.

O ‘santo’ tem nome e sobrenome: Fabrício Queiroz.

A prisão do ex-assessor foi capaz de fazer o que nem militares e civis conseguiram.

Desde quando descobriu-se o paradeiro de Queiroz e a Justiça o mandou para o presídio, o presidente converteu o estilo.

Saiu do tom agressivo e afeito à conflagração com poderes, mídia e tudo o mais, para uma espécie de “Bolsonarinho paz e amor”.

Adeus às declarações polêmicas, pausa nas bravatas. Até o ‘cercadinho’ de apoiadores inflamados passou a merecer menos atenção e holofote.

A relação com deputados e senadores se desobstrui com mais celeridade e a negociação de espaços governamentais ganha notória fluídez.

De repente, Bolsonaro mede palavras e até se sai com considerável desenvoltura dos desconfortos gerados por “revisões” no currículo do recém-escolhido ministro Carlos Decotelli.

O encarceramento do ex-faz tudo produziu um outro presidente da República. O que jamais imaginava-se que poderia se afastar do radicalismo messiânico populista.

Ao menos temporariamente, está aí o milagre de “São Queiroz”, um salvador da pátria às avessas.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

20%

Queda nas vendas de preservativos no Brasil, durante a quarentena.