Bastidores

“Demo” (povo) e de “kratia” (poder) (por Kubitsheck Pinheiro)

27 de junho de 2020 às 13h38

Na sua coluna de hoje, no Portal MaisPB, o singular Kubitschek Pinheiro esbanja na sua expertise: provocar. Até o autor deste Blog foi alvejado pelas interrogações kaninas do grande Pinheiro de Jatobá, enxertado hoje em dia nas areias do Cabo Branco.

Quer ler? Tá logo aí abaixo:

Com a licença de compadre Heron Cid, vou tocar nesse assunto democrático sem lirismo, nem ingenuidade: precisamos nos unir para salvar nosso país. Do jeito que vai, não vai, não sai do canto. Nem no arranco. Toda hora escuto falar que um restaurante fechou as portas. Essa semana li e fiz um texto curto para o MaisPB, do fechamento do “Sheraton Reserva de Paiva”, um complexo luxuoso hoteleiro de Pernambuco. E nem vamos falar do Hotel Tambaú, que mora praticamente dentro do mar e está a ver navios.

A operacionalização de uma gloriosa ideia assentada num pragmatismo econômico está desabando, mas é preciso levantar a bunda da cadeira. Bem-intencionado, um amigo me falou que se cada um fizer sua parte, o país voltará a funcionar e cada qual com seus “cuidados”. Certo, mas de pés e cabeça, não metendo os pés pela cabeça.

Economia como esteio, como saída para retomada do avanço do país, principalmente o Brasil de hoje, se arrastando numa pandemia que entra dia e sai noite e não sai disso.

Não faz muito tempo, coisa de há um ano atrás ou mais, já víamos na calçada da praia e em toda cidade, pessoas vendendo milho cozinhado, trufas, chapéus, saladas etc e já era a assombrosa crise. Aquilo da massa justificando o ganha pão me impressionava, mas não é de ontem, nem de hoje, que grande parte da população rala para sustentar a família. E essa parte está recebendo o auxílio do Governo (parte dela, é claro, porque muitas pessoas receberam sem ter direito).

A reflexão que faço e o empenho da cidadania, pelo tanto que oferece, pela luta de cada um, precisamos colocar em prática essa palavra tão usada – “democracia” e salvar o nosso país. Não podemos chegar a 2021 isolados. Precisamos migrar. Ou “cairemos um a um ou morreremos todos”, como diz um amigo do K.

O momento não é de festa e sim de orientação, cuidados, mas festas estão acontecendo nos quatro cantos, como a peitar o que somos e o que poderemos não ser.

Infelizmente, de há muito, que a corja transformou o país num espaço onde não há lugar para o diálogo, gingando entre os horrores, seja nas redes sociais ou na tevê, com a perversão de uma linguagem-imagem de quem não ama o Brasil.
Há esperança, Heron? Celebraremos o Brasil que vencerá seus algozes?

Kapetadas

1 – Eu tenho esse problema eu gosto das pessoas.
2 – Li que Allan Kardec do Palmeiras era ruim de passe?

*Coluna publicada no Portal MaisPB

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

20%

Queda nas vendas de preservativos no Brasil, durante a quarentena.