Opinião

Campina flexibiliza, Caruaru bloqueia; quem está certa?

25 de junho de 2020 às 20h14 Por Heron Cid
Rainha da Borborema optou por retomada do comércio; dados alertam para perigos

Campina Grande é dona atualmente do maior índice de propagação do novo Coronavírus na Paraíba. Cada infectado contamina uma média de mais 2,19 outros habitantes da cidade.

É maior índice de duplicação viral da Paraíba.

Dos 40.824 casos confirmados no estado, Campina responde até hoje por 6.025.

A ocupação de leitos de UTI é de 71% e se aproxima dos 74% de João Pessoa, onde se concentra o maior índice de registros (11.369) da doença.

Um outro dado. Essa diferença já foi de 10 pontos. Hoje é de 3 pontos.

O isolamento social em Campina está entre 35% e 37%, o que é considerado muito baixo a julgar pela meta de 70%.

Apesar do conjunto de informações que receitam cautela, a flexibilização foi iniciada e a retomada das atividades está em curso.

Caruaru, cidade semelhante em Pernambuco, precisou, às pressas, fazer outro caminho, por decisão do Governo do Estado.

Novo decreto estabeleceu isolamento social mais rígido para o município, com base no crescimento da contaminação no agreste, incluindo Bezerros.

Os dois municípios foram responsáveis por 71% do aumento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) na região, na última semana.

A regra restringe circulação à apenas serviços essenciais e limitou atividades produtivas.

Especialistas ouvidos pelo Blog temem pelas consequências da opção de reabertura tomada pela cidade paraibana. O Governo do Estado vai chancelar, mesmo diante dos prognósticos de riscos?

Enquanto Campina afrouxa, Caruru, via Estado, aperta. Quem está certa?

Os próximos 15 dias responderão.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

20%

Queda nas vendas de preservativos no Brasil, durante a quarentena.