Bastidores

No ‘novo normal’ cabe eleição velha?

23 de junho de 2020 às 22h53

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. O Senado da República preferiu uma opção mais ‘conservadora’, para usar termo da moda, na hora de alterar a data da eleição de 4 de outubro para 15 e 29 de novembro.

Deu um passo adiante quando, ouvindo o TSE e especialistas, admitiu o respiro de pouco mais de um mês de elasticidade em relação à data constitucionalmente prevista.

Mas não esticou a perna demais ao rejeitar a proposta de 6 de dezembro e nem muito menos a tese de prorrogação das eleições para 2022.

Essa última seria a mais radical porque alargaria em dois anos mandatos de prefeitos e vereadores. A maioria dos senadores disse “não’.

Não se pode prever, porém, o que sairá da Câmara, por onde tramitará a proposta antes do destino final. Como se sabe, os deputados federais são mais suscetíveis aos maiores interessados, os prefeitos.

Uma coisa deve-se admitir. Tanto 15 de novembro quanto 6 de dezembro, tudo é chutômetro. Paliativo para não manter o impraticável calendário vigente já batendo à porta de candidatos e eleitores em plena pandemia.

Se nem a flexibilização do isolamento social tem uma segurança total de sucesso sem recrudescimento, como precisar quando realmente estaremos prontos para aglomerar em atos de campanha ou mesmo no dia em que centenas de milhões precisarão sair de casa para votar?

Sem um prognóstico definitivo do comportamento do vírus nos próximos meses, seria crível, sensato e produtivo que – independente da extensão da data – também haja o aprofundamento do debate técnico da remodelagem e modernização do processo eleitoral.

Para um momento atípico, vale pensar e refletir sobre novas práticas, alternativas e meios tecnológicos capazes de garantia das seguranças jurídica, do voto secreto e da sanitariedade.

Quando mais se pensa em “novo normal” em tudo, somente as campanhas e votações continuarão velhas?

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

20%

Queda nas vendas de preservativos no Brasil, durante a quarentena.