Opinião

Onze perguntinhas chatas

19 de junho de 2020 às 17h21 Por Heron Cid

Se não há nada a esconder, por que Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, sumiu do mapa?

Por que justamente um advogado do presidente e do senador ofereceu uma casa para Queiroz se recolher?

Por que o advogado Frederick Wassef negou, solenemente, que soubesse do paradeiro de Queiroz, quando perguntado pela repórter Andréia Sadi?

Se não há problema ou irregularidade na relação de Queiroz com o gabinete de Flávio Bolsonaro, por que tanto o então candidato a presidente e o então deputado estadual Flávio Bolsonaro demitiram o amigo e a filha dos seus respectivos gabinetes?

Por que Luis Botto Maia, um advogado ligado a Flávio, promoveu um encontro secreto entre a mulher de Queiroz, Márcia, e Raimunda, a mulher do miliciano foragido Adriano da Nóbrega, morto na Bahia?

Se não teme, por que Flávio Bolsonaro tentou nove vezes suspender a investigação que apura suspeitas sobre a relação dele com Queiroz?

Se não viu crime algum e concorda com o que disse Abraham Weintraub na polêmica reunião ministerial, porque Bolsonaro demitiu o ministro da Educação?

Se demitiu o ministro por pressão, significa dizer que capitulou diante do Supremo Tribunal Federal e do Congresso?

Assim como os filhos, o presidente é solidário a extremista Sara Winter, que ameaçou trocar tapas com o ministro do Supremo?

Ao recriar o Ministério das Comunicações e entregar ao genro de Sílvio Santos, um deputado do PSD, do Centrão, o presidente desistiu da célebre frase: “Não vamos negociar nada”?

Para o presidente o que é mesmo “nova política”?

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

R$ 798 milhões

Valor total do pacote de obras anunciado pelo governador João Azevêdo para retomada da Paraíba.