Bastidores

Na machista Paraíba, Lúcia Braga abriu caminho da mulher política

8 de maio de 2020 às 21h39

Em toda a história da Paraíba, somente três mulheres colocaram os pés na Câmara Federal, representando o eleitorado paraibano.

Lúcia Braga foi a primeira, em 1986, embalada pelo prestígio do seu marido, Wilson Braga, político com carreira fulgurante, à época.

Ela, porém, nunca quis ser apenas a mulher de Wilson. Tinha voz própria, carisma pessoal e divergia politicamente de Braga em alguns temas.

Às vezes até abertamente. Era dona de temperamento forte.

Era acolhedora por essência. Nas comunidades, onde transitava como se mãe fosse, e na vida pessoal. Adotou três filhos.

Abriu os caminhos da assistência social na Paraíba ao criar, como primeira-dama, o que mais tarde seria a Fundação de Ação Comunitária e para maior presença da mulher na vida pública partidária.

Um dos episódios emblemáticos de sua vida foi a tumultuada filiação ao PT, em 2003. Tida e havida como produto do conservadorismo, sofreu forte oposição e penou para obter aval e ingresso nos quadros do Partido dos Trabalhadores.

Numa Paraíba histórica e genuinamente machista, Lúcia pontuou na política ao lado do marido. Não por trás. E isso diz muito sobre sua personalidade.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: soltura de Queiroz também liberta Planalto


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

1.229

Número de mortos pela covid-19 na Paraíba, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (sexta-feira, 10.07.2020)