Bastidores

Retomada da triplicação é exemplo da força da unidade

5 de maio de 2020 às 15h58
Tarcísio Freitas, ministro da Infraestrutura

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, acaba de comunicar, enfim, a retomada da triplicação da retomada das obras da triplicação da BR-230 entre Cabedelo e o Viaduto de Oitizeiro, em João Pessoa, paralisada desde o fim do ano passado. O comunicado foi feito em reunião virtual com a bancada paraibana.

Perguntado pela senadora Daniella Ribeiro (PP), o ministro previu a conclusão dos trabalhos até 2023, se não houver interrupção. A obra será tocada agora pelo Exército, por sugestão de parlamentares paraibanos. A estimativa total é de um investimento próximo de R$ 200 milhões.

“Vamos ter os primeiros oito quilômetros no valor de R$ 74 milhões, a gente já está garantindo R$ 35 milhões. Vamos nos reunir com a bancada para propor possibilidade de emendas, como no ano passado”, disse o ministro.

Ele informou que neste ano o foco serão “os viadutos incompletos, os maiores gargalos, a complementação desses viadutos e suas alças, enquanto a gente levanta os remanescentes no segundo semestre para houver fazer uma licitação ou passar o restante do trecho para o Exército”.

A paralisação da obra foi uma falha da direção do DNIT na Paraíba. O problema estourou na imprensa e a bancada federal paraibana de forma praticamente uníssona pressionou até obter garantias da retomada. A oficialização da promessa chegou hoje.

Por vias oblíquas, o processo é uma perfeita amostra do poder político da unidade. Se ela tem força para retomar uma obra, pode ser instrumento para coisas ainda muito maiores.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: soltura de Queiroz também liberta Planalto


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

1.229

Número de mortos pela covid-19 na Paraíba, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (sexta-feira, 10.07.2020)