Bastidores

Mortes pela Covid-19: para onde a culpa tende a ir (por Maílson da Nóbrega)

30 de abril de 2020 às 13h25
Carreata em apoio ao presidente Jair Bolsonaro e contra governadores e prefeitos que mantém o isolamento social e contra o Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal. Vários pediram um novo AI-5 com fechamento do STF e Congresso. Sérgio Lima/Poder360 19.04.2020

“Vocês não vão botar no meu colo essa conta”, disse hoje o presidente Jair Bolsonaro ao referir-se às mortes pela Covid-19. Ele lembrou que as medidas restritivas (quarentena) foram adotadas pelos governadores, ou seja, a população deve culpá-los pelos efeitos da pandemia na saúde e na economia.

Transferir culpa a outros atores governamentais é assunto conhecido da ciência política. São raros os chefes de governo que conseguiram imputar a outras esferas a responsabilidade por dificuldades do eleitorado. Bolsonaro está na situação do azarado que preside o país em momento de crise para a qual não contribuiu. A culpa será dele.

Esse foi o caso do presidente João Figueiredo, que assumiu o poder em 1979 quando declinavam fortemente os anos dourados do regime militar. Ele sofreu os efeitos do esgotamento do ciclo de crescimento acelerado da economia, cujo auge havia ocorrido no período 1968-1973.

Além disso, a economia foi atingida por dois vendavais: a segunda crise do petróleo (1979) e a crise da dívida externa (1982). Por isso, o PIB caiu em 1981 e 1983, na pior recessão até então. Ninguém culpou os governos anteriores pelas desventuras. Figueiredo tornou-se o general-presidente mais impopular do regime militar.

Há também os felizardos, caso de Lula. Ele assumiu em 2003, quando se iniciou o super-ciclo de alta dos preços de commodities. Os fortes ganhos de comércio permitiram a aceleração do crescimento da economia e do emprego, aumentando a arrecadação tributária. Isso viabilizou a ampliação dos programas sociais, particularmente o Bolsa Família. Ninguém atribuiu a popularidade de Lula à China, que se tornara a principal parceira do Brasil no comércio de alimentos e matérias-primas de origem rural. Lula ganhou sozinho os louros de uma situação para a qual pouco contribuíra.

Veja

Vídeo

Heron Cid no Hora H: soltura de Queiroz também liberta Planalto


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

1.229

Número de mortos pela covid-19 na Paraíba, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (sexta-feira, 10.07.2020)