Bastidores

O fim da notícia em papel (por Magno Martins)

4 de abril de 2020 às 12h35

A notícia em papel, trazida aos leitores pelos tradicionais jornalões brasileiros, está cada vez escassa e acessível. A era é da informação em tempo real, fatos que chegam ao público pelos mais diversos instrumentos online, a mais recente pelo WhatsApp. Pernambuco saiu na frente com o primeiro jornal transmitido diretamente para o celular, O Poder, projeto idealizado pelo meu amigo José Nivaldo Júnior.

Os jornais morrem porque não consequem mais acompanhar a velocidade da informação, trazem a notícia do dia anterior em meio a um consumo ansioso da sociedade pela notícia em tempo real, no exato momento em que o fato está ocorrendo. E vão desaparecer num tempo mais breve do que se possa imaginar. No Brasil, já existem Estados que não têm mais jornais, como a Paraíba, que hoje põe nas bancas a última edição do Correio da Paraíba, que circulou por 66 anos, ininterruptamente até ser nocauteado pela internet.

Alagoas também perdeu o seu grande e último jornal, a Gazeta, da poderosa família Collor, que detém o controle acionário da TV-Globo naquele Estado. Os jornais impressos têm leitores cuja idade mínima é de 40 anos; jovens ignoram a mídia impressa, sequer usam o computador de mesa, a não ser para trabalhos escolares e preferem o telefone para ler e resolver casos do cotidiano. Nos Estados Unidos, 45% dos adultos já imitam os filhos no uso da tecnologia móvel.

Para completar o mau vaticínio, uma pesquisa do New York Times anunciou que a sobrevida dos jornais impressos seria de apenas cinco, no máximo dez anos. A maior parte dos jornais está se dedicando ao desenvolvimento do jornalismo digital com o desafio de conseguir modelos de negócios mais rentáveis. No The Washington Post, por exemplo, engenheiros e repórteres trabalham lado a lado na criação de experiências digitais.

Há também as opções de se cobrar pelo conteúdo colocado na rede, que ficaram famosas especialmente depois da adoção do chamado paywall pelo The New York Times e pelo The Wall Street Journal, dois dos principais jornais dos Estados Unidos.

O fim do papel, porém, não significa que o apetite por consumir notícias diminuiu. Pelo contrário. Mais empresas estão entrando no mercado da comunicação, especialmente as grandes companhias de tecnologia. Google News, Apple News e Instant Articles do Facebook são algumas das apostas que prometem mexer com o setor. Nessa ânsia de sobreviver à inovação, o também britânico The Times deixou de publicar notícias em tempo real e atualiza seu site apenas duas ou três vezes por dia.

Último dos moicanos – O Correio da Paraíba é o último a fechar suas portas, depois de O Norte, com quem rivalizou por décadas, Diário da Borborema e Jornal da Paraíba, este extinto em abril de 2016. Agora, permanece em circulação apenas o Jornal A União, mantido pelo Governo do Estado. Um dos fatos mais marcantes da história do Correio foi a morte de Paulo Brandão, então sócio proprietário do Sistema Correio. Ele foi assassinado em 13 de dezembro de 1984. O homicídio virou um “holocausto” para o grupo, no dizer do seu presidente Roberto Cavalcanti.

Blog do Magno (Pernambuco)

Vídeo

Heron Cid no Hora H: “O mérito de Bolsonaro”


Amém

Dona Candinha sobre a escolha, enfim, depois de muita polêmica, do novo ministro da Educação. E é pastor:

"Aleluia!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

1.229

Número de mortos pela covid-19 na Paraíba, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (sexta-feira, 10.07.2020)