Opinião

A sangria na veia do sertanejo

15 de março de 2020 às 13h18 Por Heron Cid
Barragem São Goncalo/Marizópolis se prepara para se derramar no Rio Piranhas (Foto: Neguinho Marques)

Chuva no Sertão é festa. Até hoje, nada me faz lembrar mais Marizópolis – minha terra natal – do que quando chove. Esteja onde eu estiver.

O cheiro da terra molhada transporta quilômetros de distância e aproxima o que nunca esteve longe.

Sertão chovido é a pura representação da renovação da vida, expressa pelos olhos da natureza. Tudo, repentinamente, muda.

A sequidão dá lugar ao verde que chega a doer, como canta Cátia de França, em Ponta do Seixas.

O Mofumbo perfuma o ar e tudo ao redor. Não há aroma mais doce, sublime e nativo. Até a cobra fica verdinha e lânguida serpenteia no barro vermelho, entre os galhos de marmeleiros.

Nas pedras, os riachos escorrem e desaguam até o destino final. Vai enchendo o Açude São Gonçalo/Marizópolis, como agora nessa invernada, prestes a se derramar e seguir sua jornada pelo Rio Piranhas até desembocar no Rio Grande do Norte.

Em breve, a contemplação à única sangria que todo mundo se junta em comemoração e se banha nas águas da esperança.

Na cabeça da barragem, vendedores se acumulam em suas barracas e a margem vira um carnaval fora de época.

A cena de penúria de anos de seca traveste-se numa praia doce, a praia do Sertão. Um formigueiro de gente celebrando a bênção dos céus que traz novos anos de água na terra.

O açude sangra e irriga a veia castigada de incertezas do sertanejo.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

3.904

Número de casos confirmados do coronavírus no Brasil, até a noite de sábado (28).