Bastidores

Bolsonaro nega o que afirma e afirma o que nega

13 de março de 2020 às 12h11

De máscara, o presidente Jair Bolsonaro protagonizou, em live, um raro momento de bom senso na sua escalada de rompantes.

Assumiu o crescimento do coronavírus e conclamou brasileiros à proteção e cuidados, além de anunciar as medidas tomadas pelo governo para conter o avanço da doença.

O auge da lucidez presidencial. Ele desaconselhou partidários das “manifestações legítimas” de irem às ruas neste domingo.

Fez tudo o que se espera de um presidente responsável.

Dias depois de fazer tudo ao contrário, ao minimizar o vírus, quebrar acordo com o Parlamento, no caso do orçamento impositivo, e encorajar as massas a protestar contra o Congresso e a favor, claro, do seu governo. 

Com a derrota, em plenário, que ampliou o acesso das pessoas em vulnerabilidade ao BPC (Benefício de Prestação Continuada), o presidente não quis, acertadamente, arriscar nas ruas.

Mas não perdeu a chance de praticar seu esporte predileto; morder e assoprar.

Defendeu o respeito às instituições e disse que o protesto não poderia ser dirigido contra elas. Ao tempo em que, ironicamente, também consolou iminentes manifestantes, assinalando que o “recado“ já havia sido dado ao Parlamento, praticamente tomando para si o movimento que jurou não estimular.

O presidente nega o que afirma e afirma o que nega. É uma questão tanto de estilo quanto de estratégia. E que vem dando certo. Para ele.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

3.904

Número de casos confirmados do coronavírus no Brasil, até a noite de sábado (28).