Bastidores

Defensor das polícias, por que Bolsonaro não banca PEC300?

21 de fevereiro de 2020 às 12h14

A proposta de emenda constitucional 300 roda no Congresso desde 2008. A ideia de criar um piso salário para policiais militares e corpo de bombeiros sempre esbarrou em travas orçamentárias e falta de vontade política.

A chamada PEC 300 prevê a criação de um fundo permanente para garantir os pagamentos e a implantação de uma carreira nacional capaz de tirar as polícias da dependência das fragilidades estaduais, a quem compete, constitucionalmente, a segurança pública.

O então deputado federal major Fábio, da Paraíba, bradou na Câmara e viajou o Brasil defendendo essa causa. A coisa nunca andou.

A crise das polícias no País, com crescente de movimentos grevistas e de apelo por reajuste salarial, como no Ceará e na Paraíba, deveria ressuscitar o tema.

Por incrível que pareça, ninguém fala mais nisso. Nem as categorias dos policiais, as mais interessadas no tema.

Sabe o que é estranho? Agora, os policiais têm na Presidência da República um grande aliado, eleito com apoio entusiasmado e em massa desse segmento.

Não seria coerente a implementação e viabilização da PEC no Governo de Jair Bolsonaro, o defensor número 1 das polícias?

O momento é propício para a ressurreição de um debate que morreu de inanição.

Ninguém duvida que Bolsonaro – agora com a caneta, a faca e o queijo na mão – faria de tudo para valorizar a polícia e realizar esse sonho antigo. Ou duvida?

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

20%

Queda nas vendas de preservativos no Brasil, durante a quarentena.