Bastidores

O cristão e a política: religião e eleição se misturam?

13 de fevereiro de 2020 às 11h26
Comunidades religiosas perceberam a tempo que política não é pecado; pecado é o que se faz nela

Religião e política se misturam? Para essa pergunta, a resposta dentro das igrejas e doutrinas sempre foi “não”.

De tão em voga, esse tema vai ser debate em profundidade na nova edição do Encontro da Consciência Cristã, em Campina Grande.

Três estudiosos e especialistas no assunto vão discutir a problemática: José Mário, Solano Portela e Ricardo Aragão.

Antes do parecer dos teólogos no seminário O Cristão e a Política, de 23 a 25, vale uma imersão superficial prévia.

Religião e política são forjadas em princípios, crenças e regras. Historicamente, a religião, especialmente a cristã no Ocidente, influenciou diretamente em códigos de condutas civilizatórios.

Por exemplo, não roubar é um mandamento comum a ambas. No Direito, matar é crime, conceito que está nos 10 mandamentos bíblicos.

Religião, todavia, não pode e nem deve se confundir com o Estado. O Brasil, por exemplo, mantém certa laicidade, por rejeitar a instituição de religião oficial e a discriminação de credos.

A presença do cristianismo está por toda a parte, como nos feriados religiosos oficiais, todos de natureza cristã/católica. Temos feriado no dia da Padroeira do Brasil. E aí estão a explicação e constatação de que nossa laicidade não é absoluta.

A ideia que separava internamente na igreja o cristão da política é superada. Mesmo assim, ainda prevalecem, já em menor grau, doutrinas ortodoxas que insistem em considerar o distanciamento entre o espiritual e a experiência humana das coisas terrenas.

Como se fosse possível viver numa cápsula, no enclausuramento social, e como se Deus não governasse sobre tudo. Esse é um conceito que limita a ação divina na terra.

O cristão, o evangélico, o católico, o espírita, o muçulmano, o adepto do candomblé e o ateu são chamados a participar da vida pública. Porque, antes de devotos ou crentes, são cidadãos.

Na política, ou se governa ou se é governado. E isso diz muito. Cabe a cada adepto saber escolher quem lhe governa, ou, quem sabe, decidir também governar.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.