Opinião

Na reta final, o ritmo do começo

11 de fevereiro de 2020 às 16h05 Por Heron Cid
Luciano Cartaxo, prefeito de João Pessoa

Luciano Cartaxo, prefeito de João Pessoa, apresentou, hoje, sua última mensagem à Câmara. Por razões naturais, com clima de despedida e olhar no horizonte para a reta final do seu segundo mandato.

No conteúdo de seu pronunciamento, a expressão de quem considera que está cumprindo o dever outorgado pelos seus munícipes.

Mas, em nenhum momento, foi possível sentir uma fala de cansaço ou comodismo. Porque é comum, nessa fase, o gestor gastar o tempo em agendas de euforias sociais ou até mesmo pessoais.

É, no geral, aquela velha (e natural) sensação já de férias antecipadas.

Ele não é candidato a mais nada neste ano. Nem por isso, vestiu o pijama. Quebra o script e mantém o ritmo pessoal e administrativo no que lhe cabe enquanto prefeito.

Como se estivesse começando agora, despacha até tarde e roda a cidade com o entusiasmado da chegada.

Quem vê o lançamento da Nova Epitácio, a inauguração da Saturnino de Brito, com 400 casas, o lançamento e sua obsessão por entregar até o fim do mandato o Parque Sanhauá, percebe esse ímpeto peculiar.

Quanto mais se aproxima a hora da despedida, mais o prefeito demonstra renovar o fôlego. É como se a vontade pessoal fosse maior do que o calendário que não estaciona.

Psicologicamente falando, dá até para arriscar um diagnóstico. É a consciência de que, entre 720 mil habitantes, ele vive uma experiência única. Então, por que não fazer valer cada segundo desse privilegiado tempo?

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Um dia é do ‘réu’, outro do relator”


Foliando

Dona Candinha sobre a determinação do uso de tornozeleira eletrônica para investigados na Operação Calvário:

"Isso é que é pular carnaval com um pé só!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual será o despacho do desembargador Ricardo Vital, a quem cabe a tarefa de adaptar as medidas cautelares contra Ricardo Coutinho?
NÚMERO

1

Assassinato por hora no Ceará, depois do motim dos policiais militares.