Bastidores

João, os deputados e a panela de pressão ligada

5 de fevereiro de 2020 às 11h00
Movimentos internos entre deputados acionam válvula de segurança institucional

Panela de pressão é uma invenção fantástica para apressar o cozimento de alimentos. A lógica dela é física, mas seu funcionamento bem simples: quanto maior for a pressão externa, pelo fogo, maior será a temperatura de ebulição.

À medida que o calor sobe, a pressão dentro da bolha de vapor fica maior que a pressão externa e a bolha sobe. Ao chegar à superfície do líquido, o vapor é então liberado.

É a válvula de segurança, portanto, que impede a explosão da panela.

Setores da Assembleia já acenderam o fogo em cima da relação com o governador João Azevêdo. Os sinais de labaredas estão por toda parte.

Nos bastidores, há burburinhos e movimentos (uns nítidos, outros ofídios) de preparação de um terreno que poderia servir para afastar Azevêdo do cargo.

O que nem a Justiça fez no curso de uma investigação que já ultrapassa um ano.

Até a vice-governadora Lígia Feliciano começa a ser arrastada para o debate, a partir de um trecho de delação confuso, frágil e impreciso.

A pressão é mesclada entre alguns parlamentares da oposição e nichos da base governista. Nem tão governista assim.

Estão querendo cozinhar o governo. A pressão já está ligada. A evolução, ou não, depende da válvula de segurança.

A explosão da panela é sempre violenta. E os riscos de ferimentos enormes. Em alguns casos, letais.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Um dia é do ‘réu’, outro do relator”


Foliando

Dona Candinha sobre a determinação do uso de tornozeleira eletrônica para investigados na Operação Calvário:

"Isso é que é pular carnaval com um pé só!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual será o despacho do desembargador Ricardo Vital, a quem cabe a tarefa de adaptar as medidas cautelares contra Ricardo Coutinho?
NÚMERO

1

Assassinato por hora no Ceará, depois do motim dos policiais militares.