Opinião

O fator Sérgio Queiroz em João Pessoa

27 de janeiro de 2020 às 12h56 Por Heron Cid
Sérgio Queiroz, secretário de proteção global Foto: Renata Mariz / Agência O Globo

Em qualquer análise ou conversa de bastidores, frequentemente aparece o nome do procurador da Fazenda Nacional, secretário de Proteção Global do Governo Federal e pastor da Igreja Cidade Viva, Sérgio Queiroz.

É uma personagem que, apesar de nunca ter falado diretamente sobre o tema, volta e meia se insere, naturalmente, no debate político da sucessão eleitoral na capital paraibana.

Sérgio evita qualquer declaração. Esquiva-se do assunto eleição, mas também não descarta peremptoriamente.

Está naquela de ouvir mais do que falar e de sentir a temperatura e o termômetro das coisas.

Presidente da Fundação Cidade Viva, que, além da Igreja, tem trabalho na área educacional e social, ele acumula bagagem na formação profissional e pessoal e entra com desenvoltura em vários segmentos da cidade.

É alguém que tem relação com João Pessoa, um portfólio de gestor para apresentar e capacidade intelectual, fruto de formações até fora do Brasil. Aliás, nesse quesito, o do conhecimento e fluidez nas relações internacionais, ele tem um largo diferencial.

Sua decisão de entrar ou não no movediço terreno da política é que é muito complexa para a função que ocupa, porque envolve questões éticas, religiosas e pessoais a serem administradas.

Mas até essa questão elencada aqui no Blog foi desmistificada outro dia por um atento leitor, recentemente, em mensagem de contraponto direto e fulminante: “Heron, isso não é mais impeditivo. Ele já fez uma opção política quando decidiu aceitar cargo no governo Bolsonaro”.

De fato. É um raciocínio coerente. O cargo nacional e delicado em que Sérgio já está fazendo um trabalho elogiável é técnico, mas tem um pé firme na política.

Pelo sim ou pelo não, a decisão dele tem poder para interferir na eleição. É um perfil novo num momento ‘novo’ da política.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Um dia é do ‘réu’, outro do relator”


Foliando

Dona Candinha sobre a determinação do uso de tornozeleira eletrônica para investigados na Operação Calvário:

"Isso é que é pular carnaval com um pé só!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual será o despacho do desembargador Ricardo Vital, a quem cabe a tarefa de adaptar as medidas cautelares contra Ricardo Coutinho?
NÚMERO

1

Assassinato por hora no Ceará, depois do motim dos policiais militares.