Bastidores

Moro já conhece bem Bolsonaro. E vice-versa (por Leandro Cavalcanti)

26 de janeiro de 2020 às 14h00
O presidente Jair Bolsonaro conversa com o ministro da Justiça Sergio Moro no Palácio do Planalto Palace, em Brasília - Adriano Machado - 17.jun.2019/Reuters

A essa altura do campeonato, depois de 1 ano de governo, o ministro Sérgio Moro já conhece bem o presidente Jair Bolsonaro. E sabe que, enquanto estiver no comando da pasta, sempre será alvo do humor do chefe, que, por sua vez, percebe a força eleitoral do auxiliar e prevê dificuldades em caso de rompimento.

Se até as cascatas do Palácio da Justiça sabem das intrigas da Esplanada, é mais do que qualquer movimento de Bolsonaro em direção a Moro –e vice-versa– deve ser observado com atenção. O episódio envolvendo os secretários de segurança dos estados na criação de um ministério exclusivo está longe de ser o último atrito entre Bolsonaro e Moro.

Ao longo desta semana, o Drive –newsletter exclusiva para assinantes produzida pela equipe do Poder360– mostrou  a escalada da tensão entre Moro e Bolsonaro. O primeiro movimento se deu ainda na manhã da 4ª feira (22.jan), quando os secretários de segurança concordaram em pedir ao presidente a volta do Ministério da Segurança o que diminuiria o poder de Moro.

À tarde, ao receber os secretários, Bolsonaro disse que iria estudar o assunto, deixando o ministro mais popular Esplanada numa saia-justa. Um dos presentes à reunião disse ao Drive que Bolsonaro pediu ao secretário do Distrito Federal Anderson Torres que mantivesse o tema da criação do Ministério da Segurança na pauta.

POLÍCIA FEDERAL

Anderson Torres é delegado da Polícia Federal tal qual outros 8 secretários de segurança, o que leva à outra intriga: a disputa pela cadeira do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo. Torres –como as cascatas do Palácio da Justiça sabem– é o mais cotado para o cargo. Desde setembro de 2019, o cargo do chefe da corporação está na mira de Bolsonaro. À época, o presidente teve de recuar depois que Moro bancou Maurício Valeixo

Mesmo que considere a troca na PF, Bolsonaro ainda está longe de tirar de Moro o comando da segurança. A resposta “vou estudar o tema” serviu para agradar os secretários e deixar o ministro de “olho aberto”. Mas caso ainda não está fechado. Primeiro porque Bolsonaro não vai deixar de fustigar Moro ao longo do tempo. Depois porque não se sabe qual será a a extensão da resposta de Moro.

Parte dessa resposta chegou na tarde de 6ª quando Valeixo pediu ao Ministério da Justiça o retorno dos servidores da PF cedidos aos Estados, o que inclui os delegados que atuam como secretários de segurança. Foi carta marcada, mas pode não ser a última. Moro já conhece Bolsonaro. Bolsonaro já conhece Moro. Não podem ser dizer mais surpresos 1 com o outro.

Poder360

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.