Bastidores

Moro já conhece bem Bolsonaro. E vice-versa (por Leandro Cavalcanti)

26 de janeiro de 2020 às 14h00
O presidente Jair Bolsonaro conversa com o ministro da Justiça Sergio Moro no Palácio do Planalto Palace, em Brasília - Adriano Machado - 17.jun.2019/Reuters

A essa altura do campeonato, depois de 1 ano de governo, o ministro Sérgio Moro já conhece bem o presidente Jair Bolsonaro. E sabe que, enquanto estiver no comando da pasta, sempre será alvo do humor do chefe, que, por sua vez, percebe a força eleitoral do auxiliar e prevê dificuldades em caso de rompimento.

Se até as cascatas do Palácio da Justiça sabem das intrigas da Esplanada, é mais do que qualquer movimento de Bolsonaro em direção a Moro –e vice-versa– deve ser observado com atenção. O episódio envolvendo os secretários de segurança dos estados na criação de um ministério exclusivo está longe de ser o último atrito entre Bolsonaro e Moro.

Ao longo desta semana, o Drive –newsletter exclusiva para assinantes produzida pela equipe do Poder360– mostrou  a escalada da tensão entre Moro e Bolsonaro. O primeiro movimento se deu ainda na manhã da 4ª feira (22.jan), quando os secretários de segurança concordaram em pedir ao presidente a volta do Ministério da Segurança o que diminuiria o poder de Moro.

À tarde, ao receber os secretários, Bolsonaro disse que iria estudar o assunto, deixando o ministro mais popular Esplanada numa saia-justa. Um dos presentes à reunião disse ao Drive que Bolsonaro pediu ao secretário do Distrito Federal Anderson Torres que mantivesse o tema da criação do Ministério da Segurança na pauta.

POLÍCIA FEDERAL

Anderson Torres é delegado da Polícia Federal tal qual outros 8 secretários de segurança, o que leva à outra intriga: a disputa pela cadeira do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo. Torres –como as cascatas do Palácio da Justiça sabem– é o mais cotado para o cargo. Desde setembro de 2019, o cargo do chefe da corporação está na mira de Bolsonaro. À época, o presidente teve de recuar depois que Moro bancou Maurício Valeixo

Mesmo que considere a troca na PF, Bolsonaro ainda está longe de tirar de Moro o comando da segurança. A resposta “vou estudar o tema” serviu para agradar os secretários e deixar o ministro de “olho aberto”. Mas caso ainda não está fechado. Primeiro porque Bolsonaro não vai deixar de fustigar Moro ao longo do tempo. Depois porque não se sabe qual será a a extensão da resposta de Moro.

Parte dessa resposta chegou na tarde de 6ª quando Valeixo pediu ao Ministério da Justiça o retorno dos servidores da PF cedidos aos Estados, o que inclui os delegados que atuam como secretários de segurança. Foi carta marcada, mas pode não ser a última. Moro já conhece Bolsonaro. Bolsonaro já conhece Moro. Não podem ser dizer mais surpresos 1 com o outro.

Poder360

Vídeo

Heron Cid no Hora H: “Só teme lei contra fake news quem produz”


Quem tem, tem medo!

Dona Candinha sobre o atual momento político no Planalto:

"Tá todo mundo com o QUeiroz na mão!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com o noticiário político atual, quem no Brasil precisa de série para maratonar?
NÚMERO

100%

Índice de ocupação de leitos de UTI para covid-19 em Natal, Rio Grande do Norte, há pelo menos um mês.