Bastidores

Patos tenta reacender São João com lenha da terceirização

24 de janeiro de 2020 às 07h00
Ivanes Lacerda, prefeito de Patos, quer aquecer autoestima do município

Terceirização de eventos públicos e presença da iniciativa privada provocam sempre fogo no debate. Mas esse é o tipo da fogueira de que gestores públicos não têm mais como fugir, sobretudo, com o apagão da crise.

Patos, de evento junino tradicional, viu a chama do seu São João esvanecer em 2019, por falta de recursos e problemas com dívidas a fornecedores.

O resultado das brasas da mudança de prefeitos interinos no cargo.

Quarto prefeito em um único mandato, Ivanes Lacerda quer resgatar a festa neste 2020.

“Não realizar São João [em 2019] trouxe uma grave crise econômica. O comércio teve um prejuízo causando queda da nossa autoestima”, admitiu o prefeito ao programa Hora H, na Rede Mais Rádio e 14 emissoras nas principais cidades da Paraíba, tendo a Rádio Pop FM 89, em João Pessoa como cabeça de rede.

Não viu outro jeito. Anunciou que recorrerá à iniciativa privada. A Prefeitura entra com R$ 1,5 milhão e empresas bancam o resto do evento, orçado em torno de R$ 4 milhões.

Algo parecido com o que ocorre com sucesso em Campina Grande, a dona da maior das festas do gênero.

Ivanes que resgatar o calor do São João de Patos. Com a cidade cambaleante, não vê outra saída a não ser botar lenha privada.

Para o cidadão, o que vale é o forró voltar a acender os brios de um povo que vem sofrendo todo tipo de queimação nos últimos anos.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Um dia é do ‘réu’, outro do relator”


Foliando

Dona Candinha sobre a determinação do uso de tornozeleira eletrônica para investigados na Operação Calvário:

"Isso é que é pular carnaval com um pé só!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual será o despacho do desembargador Ricardo Vital, a quem cabe a tarefa de adaptar as medidas cautelares contra Ricardo Coutinho?
NÚMERO

1

Assassinato por hora no Ceará, depois do motim dos policiais militares.