Bastidores

Moro no STF (por Diogo Mainardi)

19 de janeiro de 2020 às 13h24
O presidente Jair Bolsonaro conversa com o ministro da Justiça Sergio Moro no Palácio do Planalto Palace, em Brasília - Adriano Machado - 17.jun.2019/Reuters

Em 20 de outubro de 2017, um ano antes de ser eleito, Jair Bolsonaro foi entrevistado por Claudio Dantas, em O Antagonista.

Ele disse:

“Sergio Moro está na minha lista para o Supremo”.

Em 19 de maio de 2019, instalado no Palácio do Planalto, ele repetiu a promessa:

“A primeira vaga que vier será dele.”

De lá para cá, o discurso de Jair Bolsonaro mudou despudoradamente. Em meados do ano, ele anunciou que indicaria para o STF um ministro “terrivelmente evangélico”, como o Advogado-Geral da União, o preferido de Dias Toffoli. Algumas semanas atrás, ele citou outro nome para o Supremo — seu chapa Jorge Oliveira —, e ofereceu a Sergio Moro uma candidatura como vice-presidente, em 2022.

Está errado.

Sergio Moro não quer ser vice-presidente. Ele não quer também disputar o Palácio do Planalto contra Jair Bolsonaro. Ele quer ir para o Supremo, na primeira vaga que vier, para tentar conter os ataques à Lava Jato. Caso contrário, ele pretende concluir seu trabalho como ministro e, em 2022, passar para o setor privado.

O presidente disse que, se indicar Sergio Moro para o STF, ele pode ser reprovado pelo Senado. Mentira. A pressão sobre os senadores vai ser avassaladora.

Ninguém sabe o que pode ocorrer até a aposentadoria de Celso de Mello, no fim do ano. A aposta na PF é que Jair Bolsonaro ainda não desistiu de degolar o diretor-geral Maurício Valeixo. E a aposta no Congresso Nacional é que novas denúncias devem minar o mandato do presidente. De um jeito ou de outro, só há uma certeza: a melhor garantia para o país é ter Sergio Moro no STF.

Crusoé

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.