Opinião

João e um F5 no governo

7 de janeiro de 2020 às 11h44 Por Heron Cid
Em um ano de gestão, governo João Azevêdo ganha outras faces e muda fisionomia do secretariado

Se algum paraibano tivesse ficado em coma nos últimos dozes meses, ao voltar a si hoje e olhar a fotografia do atual secretariado, além do susto, chegaria à conclusão de que está diante de um novo governo e não mais aquele que tomou posse com o governador João Azevêdo em janeiro de 2019.

De todas as pastas diretas, só não houve mudança de titular em Administração Penitenciária, Agricultura Familiar, Agricultura e Agropecuária, Chefia de Gabinete, Cultura, Articulação Municipal, Recursos Hídricos, Turismo e Desenvolvimento Econômico, Receita, Segurança, Representação em Brasília.

Em doze meses, pelo menos onze secretarias trocaram de comando. A fisionomia dos ocupantes de cargos de alto escalão da gestão foi alterada em mais de 50%, um percentual extremamente considerável para o período. Isso sem falar em PBprev, PBgás, Iphaep, Jornal A União, Tabajara e subsecretarias…

Até o governador João Azevêdo mudou. Mudou do PSB pelo qual foi eleito já no primeiro turno em 2018. A crise interna no Jardim Girassol tornou insuportável a divisão do mesmo ar entre ele e o ex-governador Ricardo Coutinho.

A nova configuração, ratificada na solenidade de avaliação do primeiro ano de governo, é matéria de um fórmula pública de desvinculação da atual administração do DNA da gestão anterior, alvo de denúncias na Justiça por desvios em contratos na saúde e educação.

Esse esforço – esperado pela opinião pública e aguardado por aliados políticos – ficou indelevelmente simbolizado na troca do slogan oficial e institucional.

De “Segue o Trabalho”, uma frase de total continuidade, para “Somos Todos Paraíba”, uma conclamação conceitual mais aberta e exortadora de unidade e identidade com o Estado, acima de facções políticas ou ideológicas.

João apertou a tecla F5 no HD do governo.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.