Opinião

Ricardo, Lígia, Daniel e a verdade

4 de janeiro de 2020 às 09h38 Por Heron Cid

Há duas histórias. A real e a contada. A que foi contada à Paraíba desenhou um governo absolutamente exitoso e principalmente probo e um líder que, de tão desprendido de qualquer apego ao poder, ficou até o fim no cargo e abdicou da natural disputa ao Senado por “amor” ao “projeto”.

A história real, porém, vem chegando a conta-gotas, fruto amargo da delação de um tosco personagem chamado Daniel Gomes, o lobista e operador da Cruz Vermelha. Na história contada, a salvadora da saúde paraibana. Na história real, um bando formado por contraventores, sugadores do dinheiro público e distribuidores de propina.

De tanta intimidade e frequência de conversas, o jovem carioca gravou o então governador Ricardo Coutinho durante, nada mais nada menos, oito anos. E essas gravações vão de acertos de repasses financeiros à amenidades e a até avaliações políticas, como a que flagrou o ‘socialista’ divagando com Daniel sobre a decisão de não deixar o governo, em abril de 2018.

A história contada aos paraibanos diz que o fantástico “fico” era para garantir o ‘projeto’ e seus resultados positivos. A história real revela outra coisa. Coutinho só deixava o governo se pudesse ter o controle total e irrestrito do Palácio, da Granja, das finanças e do primeiro escalão. Ele diz isso com sua própria boca, conforme áudio publicado, para quem quiser tirar a dúvida, no site ParlamentoPB, da jornalista Cláudia Carvalho.

Como não encontrou nenhum “instrumento”, no dizer dele na gravação, que amarrasse a vice Lígia Feliciano (PDT) e seus eventuais atos de governo, o líder máximo girassol não se sentiu motivado e nem seguro para passar o bastão. Só valia a pena se ouvisse dela a garantia de subordinação total e de renúncia de candidatura à reeleição, o que nunca ouviu nem pessoalmente e nem na imprensa.

Entre as contações e o real, as gravações vão mostrando Ricardos completamente distintos. Em público, um republicano. No privado, um político afeito à incontroláveis tirania e absolutismo e com diálogo e posturas iguais ou piores aos que sempre disse combater a vida inteira.

Está claro como a luz do sol que nasce primeiro em João Pessoa. Ele não renunciou o poder de senador. Apenas o trocou pelo desejo de permanecer governando por procuração, no que errou no cálculo e João Azevêdo assumiu o cargo em sua plenitude.

Ainda contabilizou, na decisão, o bônus de ser lembrado na posteridade pelo sublime e elevado gesto de grandeza política. Nesse caso, a verdade nem demorou a chegar. Ela veio à galope e a narrativa construída só durou até a gravação do submundo emergir.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.