Opinião

Nova fase da Calvário explica, enfim, o rompimento

18 de dezembro de 2019 às 17h54 Por Heron Cid
Ricardo Coutinho e João Azevêdo: o racha começou pela intervenção na Cruz Vermelha

Ninguém até agora havia conseguido uma razão justificável para a decisão de o ex-governador Ricardo Coutinho romper com atual governador João Azevêdo.

Essa resposta não existia até ontem.

A investigação do Gaeco e o relatório do desembargador Ricardo Vital ajudam a entender com clareza solar o que separou um do outro.

Pelas gravações feitas pelo operador Daniel Gomes, Coutinho havia costurado diretamente com o lobista uma mesada mensal para os anos seguintes ao seu governo. Isso a partir ainda de 2018.

Para tanto, a manutenção do contrato superfaturado com a Cruz Vermelha e a entrada do IPCEP no Hospital Metropolitano seriam a garantia dos repasses mensais de R$ 500 mil.

O contrato, como se sabe, foi interrompido por decisão do governador João Azevêdo com a intervenção no Hospital de Trauma.

O ‘acerto’ entre Daniel e Coutinho estaria, daquele momento em diante, prejudicado. Os pagamentos mensais, igualmente.

Mas o pior viria. Azevêdo não só interveio como retirou a Cruz Vermelha e a substituiu por outra organização social, a Acqua. Detalhe: por R$ 3 milhões mensais de economia.

A medida sutilmente estava dizendo a ouvidos e olhos mais atentos que os serviços poderiam ser feitos por outro valor bem menor. Retirando, claro, a margem do sobrepreço.

Foi a gota d’água, agravada pelo afastamento, um a um, de agentes políticos do governo citados ou denunciados no escândalo, todos ligados remanescentes da gestão anterior.

Estranhamente, mas hoje bem mais fácil de entender, nessa fase começaram a pipocar as primeiras críticas e enfrentamentos de Ricardo com o seu sucessor e a solidariedade do socialista aos “companheiros” demitidos. Hoje, quase todos presos.

Uma ferida que nada e nenhum intermediário foram capazes de cicatrizar. O buraco só aumentou até o recente anúncio formal do fim da aliança.

Para quem queria entender o inexplicável rompimento, com até direito a uma traumática intervenção no PSB, as páginas da denúncia do Gaeco responderam melhor do que qualquer análise política.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: “O mérito de Bolsonaro”


Amém

Dona Candinha sobre a escolha, enfim, depois de muita polêmica, do novo ministro da Educação. E é pastor:

"Aleluia!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

1.229

Número de mortos pela covid-19 na Paraíba, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (sexta-feira, 10.07.2020)