Opinião

Reforma da PBprev: se correr rombo pega, se ficar ele come

16 de dezembro de 2019 às 21h37 Por Heron Cid

É até compreensível e legítimo, do ponto de vista político, o esforço que faz a oposição para transmitir a imagem de vigilância à opinião pública, como se fez hoje em audiência pública na Assembleia. Especialmente, para flertar com os servidores estaduais.

É o que resta num debate com pouquíssima margem de manobra, como é o caso da reforma da previdência estadual. Bem como quase nada sobra ao Governo em matéria de escolha quando o assunto é a adequação à nova lei aprovada pelo Congresso Nacional.

Não fosse, todos os estados nordestinos, governados por adversários do presidente Jair Bolsonaro, pai da reforma, teriam batido o pé e se recusado a levá-la a cabo só para marcar posição.

E por que não fazem? Por que não podem. Simples assim. Nem o comunista Flávio Dino no Maranhão e nem o petista Rui Costa na Bahia. Nem o petista Camilo Santana no Ceará e nem o socialista Paulo Câmara em Pernambuco.

Dos nove estados, somente dois ainda não apresentaram suas propostas de alteração. A maioria aprovou a alíquota linear de 14%. Rio Grande do Norte e Maranhão optaram pelo sistema progressivo, que começa em 7,5%, mas chega até 22%.

Na audiência pública de hoje, o procurador-geral do Estado, Fábio Andrade, conseguiu demonstrar e que nenhum benefício e auxílio será retirado, o maior receio até então. E uma garantia relevante; nos moldes do projeto, 90,52% dos beneficiários continuarão isentos de contribuição e a conta vai para a casa dos 9,48% inativos que ‘contribuem’.

Afora o barulho próprio dessa temática, os números esfriam qualquer calor emocional nessa discussão. Quem olha os dados enxerga, sem lente de contato, o tamanho do buraco nas previdências estaduais.

E o quadro da Paraíba é um dos mais graves. Só perde por pouco para Alagoas, Maranhão e Pernambuco.

Para pagar aos seus mais de 51 mil servidores inativos e pensionistas, o tesouro estadual aportará esse ano R$ 1,5 bilhão.

E de onde vem essa fábula? Do bolso do pagador de impostos paraibanos, já que o Estado não fabrica dinheiro.

Se nada for feito, como não foi nos últimos governos e pouco se aprofunda e se cobra sobre essa omissão, o rombo só tende a aumentar e ameaçar piorar uma aposentadoria que já é ruim.

Essa é a realidade. O resto é debate e contraditório. Coisas da democracia.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.