Bastidores

A PF, o Gaeco e a sessão que nunca houve em Cabedelo

16 de dezembro de 2019 às 12h31

Todos sabem que na manhã de quarta-feira, último dia 4 de dezembro, quatro vereadores de Cabedelo foram afastados na sexta fase da Operação Xeque-Mate. Eles foram alvos de oito mandados de busca e apreensão para investigar o “financiamento” de mandatos eletivos por meio do então prefeito, Leto Viana.

O que pouca gente sabe é que, dois dias depois, na sexta-feira, a Câmara se reuniria para homenagear o delegado da Polícia Federal, Fabiano Emídio, e o promotor Octávio Paulo Neto, chefe do Gaeco na Paraíba, pelo trabalho que livrou a cidade de um bando.

Os vereadores afastados estariam na sessão. Mas nem Emídio e nem Octávio compareceriam ao ato solene marcado com a suspeita intenção de afagar egos e, de quebra, aplacar o ímpeto de justiça dos investigadores.

Os parlamentares calcularam mal.

Dois dias antes do evento, eles é que viraram ‘protagonistas’ e ganharam as manchetes policiais. A entrega das homenagens, obviamente, ficou para outro dia. Ou, quem sabe, para outra Câmara.

A sessão que houve mesmo foi a do ‘descarrego’. De tão pedagógica, a mensagem da PF e do Gaeco serve de recado. E não foi só para a política de Cabedelo.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: “Só teme lei contra fake news quem produz”


Quem tem, tem medo!

Dona Candinha sobre o atual momento político no Planalto:

"Tá todo mundo com o QUeiroz na mão!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com o noticiário político atual, quem no Brasil precisa de série para maratonar?
NÚMERO

100%

Índice de ocupação de leitos de UTI para covid-19 em Natal, Rio Grande do Norte, há pelo menos um mês.