Opinião

Uma política para o forró

13 de dezembro de 2019 às 11h51 Por Heron Cid
Marinês, um dos nomes mais marcantes do forró, penou por shows no fim da sua frutífera vida artística

Em “O fole roncou – Uma história do forró”, os jornalistas Carlos Marcelo, paraibano, e Rosualdo Rodrigues, mineiro, fazem um passeio pela fundação, afirmação e consolidação do ritmo típica e emblematicamente nordestino.

Entre as histórias, uma dolorosa. Marinês, a Rainha do Xaxado, nos estertores de sua produtiva existência, minguava de prefeitura em prefeitura em busca de um cachê para apresentações.

A mesma Marinês, numa ida a uma feira em Lagoa Seca, viveu a felicidade de ser reconhecida por uma pessoa. A lembrança confortou seu coração que não estava “acostumado a ser maltratado”.

Na obra, resultado de rica pesquisa, uma constatação que nos toca muito; a presença relevante e decisiva da Paraíba na construção do que foi e ainda é o forró, que deixou de ser uma dança, uma música e passou ao patamar de instituição.

É, sem disputa, a arte de maior identificação de nossa região.

Relevante e autêntico, o forró invoca e canta  por um comprometimento além do entretenimento, da diversão, da cultura.

Uma política pública para o forró – esse nosso patrimônio imaterial – não é nenhum exagero. É coerente e necessário.

Promover sua execução em eventos culturais, o seu conhecimento via ensino escolar, o fomento à pesquisa acadêmica sobre sua estética, o apoio à produção e difusão e manutenção de sua identidade.

São formas e meios para preservar suas características, originalidade, referências, e garantir que as próximas gerações continuarão conhecendo e reconhecendo o forró como símbolo de uma cultura e explicação sobre parte dos nossos gostos, geografia, afetos, preferências, sotaque, e costumes.

Um estado que projetou Jackson do Pandeiro, Antônio Barros, Cecéu, Marinês, Abdias, Zé Marcolino, Os Três do Nordeste, Genival Lacerda, Elba Ramalho, Rosil Cavalcanti, João Gonçalves, Flávio José, e tantos outros artistas e compositores anônimos, não pode lembrar e sentir o forró apenas nos 30 dias de São João.

Neste 13 de dezembro, nascimento de Luiz Gonzaga e Dia do Forró, é uma oportunidade de pensarmos que podemos fazer desse ritmo, visto por muitos entre nós como superado, mais do que uma história do passado, mas assunto e temática sempre presentes. E com força para, vencer o tempo, e se perpetuar no futuro.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.