Opinião

A nova PBPrev e uma velha ‘prova’ para o governo

12 de dezembro de 2019 às 10h36 Por Heron Cid
Protestos de setores do funcionalismo e críticas da oposição estacionam na Porta do Palácio com a reforma da PBPrev

O governo João Azevêdo vai passar agora por um grande teste. A votação da indiscutível necessidade da Reforma da Previdência da Paraíba, obrigatória por força de Lei, inclusive, obrigará a gestão estadual a exercer toda sua capacidade de diálogo.

O debate, até aqui, tem sido epidérmico. Natural. A oposição quer mais discussão e já acusa, como esperado, o texto de prejudicial ao servidor. Um discurso presumido aqui e em Brasília.

Não há uma readequação que não mexa com o status quo e nem fira o bolso dos beneficiários. Do contrário, não seria reforma, seria promoção.

E o rombo previdenciário paraibano, como praticamente em todos os estados, não será corrigido por retórica e nem arroubos.

Mas também não dá para aprovar um texto dessa complexidade sem uma audiência pública sequer.

O governo vai precisar enfrentar essa contenda com paciência e argumento, ainda que a histeria e os gritos dominem a pauta, o plenário e o noticiário.

Não pode fugir das perguntas e nem dos questionamentos. E tem que respondê-los com racionalidade, números e técnica. A verdade cabe em todo lugar. De conversa fiada o cidadão está cheio.

Azevêdo vai sofrer um pouco do que Jair Bolsonaro amargou nos meses intensos da reforma promovida pelo Governo Federal.

Mesmo sem maioria no Congresso, o Planalto aprovou a proposta, com ajustes, pela singela compreensão cartesiana e responsabilidade pública e política com o futuro da previdência. O que deveria transcender partidos, projetos de poder e palanques.

Para a articulação política de João Azevêdo, um desafio a mais.

No auge de um traumático rompimento político, vai precisar se defender e se esquivar de dupla artilharia: a da velha e da nova oposição, liderada pelo ex-governador Ricardo Coutinho.

Mas também será, para o Palácio da Redenção, uma bela oportunidade de somar seus votos e saber com quem conta na Assembleia.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.