Bastidores

A tese do “Eu Sozinho”

6 de dezembro de 2019 às 10h59

O telefone toca. Do outro lado da linha, o deputado estadual licenciado Hervázio Bezerra (PSB), atual secretário de Esportes do Estado.

Bezerra chama atenção do autor do Blog para a abordagem difundida à exaustão, nos últimos dias, pelo ex-governador Ricardo Coutinho, de quem Hervázio foi líder oito anos.

Pelo conteúdo é a tese do “Eu Sozinho”, segundo a qual Coutinho, isoladamente, elegeu todo mundo do grupo político governista e todos devem suas eleições e êxitos eleitorais a ele, claro.

Memorialista, Hervázio citou a eleição de 2004, em João Pessoa, quando, para ganhar “sozinho”, Ricardo se aliou ao poderoso, à época, José Maranhão, que sacrificou o então deputado Manoel Junior e rifou sua candidatura para apoiar o à época deputado do PSB, recém-egresso do PT.

Em 2008, mesmo sem a vice, o MDB em vias de reassumir o Estado, via cassação de Cássio Cunha Lima, foi convencido a votar em Ricardo, reeleito “sozinho”. Como prêmio de consolação, Manoel Junior virou deputado federal.

Veio 2010. Para vencer o favoritismo de Maranhão e toda a estrutura governamental do Palácio e do MDB, com quem rompeu logo depois de receber dois apoios em João Pessoa, Ricardo precisou dessa vez do PSDB de Cássio e do DEM de Efraim Morais para “arranjar onde tomar um copo d’água depois da ponte do Rio Sanhauá”, nas palavras de Hervázio.

Passou Maranhão apertado no primeiro turno e triunfou no segundo. “Sozinho”.

Em 2014, “sozinho”, mas com o apoio do PT de Luciano Cartaxo, cuja aliança só durou um ano, perdeu o primeiro turno para Cássio Cunha Lima. Com a adesão no segundo, de novo, do velho MDB e seus caciques, costura que Bezerra sempre frisa ter participado ao nível máximo, Coutinho venceu ‘sozinho’ o até então imbatível Cássio.

“Atente, a maioria do segundo turno foi exatamente o número de votos de Vital do Rêgo, o candidato do MDB”, historia Hervázio.

Aí – acrescenta o deputado licenciado – chegou 2018, João Azevêdo, o ‘neófito’, o ‘desconhecido’, o ‘incapaz’, aquele que ‘não ganharia nem para vereador’, no dizer de Coutinho e discípulos, conseguiu a proeza de ser eleito no primeiro turno, contra dois azeitados grupos políticos, e saiu com 22 deputados da base na “maior vitória dos últimos tempos”.

Curioso, no mínimo.

No arremate, Bezerra não consegue represar duas perguntas: “Agora e antes foi Ricardo sozinho? Por que o desempenho dele próprio nas eleições estaduais não foi esse mesmo de 2018”?

Para as perguntas de Hervázio o futuro próximo e o nem tão próximo assim responderão. Provavelmente, do jeito que a coisa vai, desenha-se um cenário que permitirá a incrível chance de a Paraíba mensurar e saber o real tamanho do ex-governador ‘sozinho’…

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.