Bastidores

Inauguração de obra em Mataraca mostra que racha rompeu fronteira do PSB e avançou ao institucional

28 de novembro de 2019 às 11h19
Prefeito de Mataraca ao lado do deputado Gervásio Maia na inauguração; ninguém do governo chamado

Os traumas do rompimento entre o ex-governador Ricardo Coutinho e o governador João Azevêdo estão se espraiando, literalmente.

De Mataraca, chega a informação que ilustra bem o clima. Lá, o prefeito Egberto Madruga (sem partido), inaugurou recentemente o Centro Turístico da cidade litorânea.

Para a solenidade de inauguração da obra, orçada em cerca de R$ 350 mil, o prefeito chamou apenas o deputado federal Gervásio Maia (PSB), seu aliado e integrante da ala de Ricardo.

Ninguém do Governo, que entrou com R$ 300 mil do total do investimento, foi chamado a comparecer ao evento.

Ao Blog, o prefeito Egberto Madruga disse que até já teve um contato com o governador João Azevêdo para tratar de questões administrativas, mas a audiência não evoluiu.

Sobre o episódio da inauguração, ele minimizou: “Esse é um assunto tão pequeno. A obra foi do Governo do Estado, mas eu indenizei uns terrenos e investi quase o mesmo valor da parte do governo de R$ 300 mil”, complementou.

Ele lamentou que o fato tenha ganho contornos estaduais: “Tem gente no governo querendo apagar fogo com gasolina”.

Não esclareceu, entretanto, a seletividade dos convites e nem porque fez questão da legítima presença de Maia e ao mesmo tempo relegou uma ligação a quem bancou parte considerável da obra.

E nem precisa. O prefeito deve ter calculado que ricardistas e aliados do governo já não conseguem caber no mesmo espaço. E nem na mesma foto. Nem mesmo em Mataraca, onde o racha partidário no Estado avançou, como o mar da cidade, para o campo institucional.

Placa da obra com recursos do Estado

Vídeo

Hora H: ‘Happy Hour’ resume com humor semana na política; ouça


Liquidação total

Dona Candinha quer uma Black Friday na política:

"O mais barato ainda sai caro!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual partido João Azevêdo encontrará “sem dono” na Paraíba?
NÚMERO

R$ 38,8 bi

Valor das ações que serão vendidas pelo BNDES em 2020.