Opinião

Um resgate histórico: a cidadania além da morte

19 de novembro de 2019 às 09h41 Por Heron Cid

Cinquenta e dois anos atrás, dom José Maria Pires, falecido em 2017, era pra ter recebido um título de cidadania paraibana.

A solenidade não houve. O regime militar, que ditava as regras à época, não permitiu, como conta a história.

O reconhecimento e homenagem ficaram retidas por cinco décadas.

Em novos tempos, o título foi removido da gaveta do presidente da Assembleia, Adriano Galdino.

Ontem, num ato icônico de plena democracia, o Poder Legislativo fez esse resgate histórico e entregou a homenagem simbolicamente.

Um presente para este paraibano por adoção, de relevantes e corajosos serviços prestados ao Estado, que faria 100 anos neste 2019.

Reconhecimento a posteriori, não fora de tempo de restaurar a justiça pelo símbolo de luta que representou e representa.

O evento de ontem é o gesto afetuoso da Paraíba documentado. Por que, para quem o conheceu de perto, a genuína paraibanidade de dom José foi reconhecida muito além do oficial e dos títulos.

E vai além dos limites da morte.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: o “novo normal” na eleição de 2020


Mal cheirosa

Dona Candinha sobre o barulho resistência de setores governistas ao nome de Ricardo Feder para o MEC:

"Vai Feder!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

20%

Queda nas vendas de preservativos no Brasil, durante a quarentena.