Opinião

Ecos políticos da passagem de Bolsonaro por Campina

14 de novembro de 2019 às 14h11 Por Heron Cid
Jair Bolsonaro em Campina Grande: presidente foi embora, mas deixou efeitos políticos na Paraíba

O presidente Jair Bolsonaro passou por Campina Grande na segunda-feira, mas os desdobramentos da visita presidencial, não.

Os efeitos atravessaram a Rainha da Borborema e esta semana de burburinho.

A distância do presidente com o PSL ganhou expressão na política local. O divórcio entre Bolsonaro e a direção do partido na Paraíba, vide o deputado federal Julian Lemos, foi oficializado.

A bem da verdade, no caso da  relação com Lemos, a crônica de uma morte anunciada desde os primeiros meses do ano.

Esse pois foi o primeiro recado que ficou: quem quiser ter a bênção de Bolsonaro para qualquer projeto político, não será filiado ao PSL.

Um mal-estar para Artur Bolinha, que entrou na legenda com essa expectativa, administrar.

No mesmo dia, veio o anúncio do Aliança, o partido que abrigará o “legítimo” bolsonarismo.

Outro fato constatado pós-agenda: em Campina Grande, Bolsonaro tem aliado preferencial, o prefeito Romero Rodrigues (PSD) e o ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB).

De Cássio, vem o terceiro reflexo da visita. O tucano está vivo e com nome fincado no debate da sucessão municipal, se quiser, embora ele externe nos bastidores pouco apetite pela ‘causa’.

Quarto: João Azevêdo se mantém no campo da esquerda, mas o governo, como instituição, dialoga e mantém o nível mínimo de necessária convivência com o Planalto.

Foi o que ficou da presença no evento da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), injusta e deselegantemente vaiada, quando mostrou maturidade ao aparecer numa solenidade em terreno inóspito.

Quinto: o presidente começa a deflagrar uma nova relação com o Nordeste. Evitou polêmicas e optou por um discurso de afagos com direito a um estridente “Ihuuuuu” ao final.

Bolsonaro seguiu viagem, mas o reflexo de sua presença ficou na política estadual.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: “O mérito de Bolsonaro”


Amém

Dona Candinha sobre a escolha, enfim, depois de muita polêmica, do novo ministro da Educação. E é pastor:

"Aleluia!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

1.229

Número de mortos pela covid-19 na Paraíba, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (sexta-feira, 10.07.2020)