Opinião

Em Campina Grande, Bolsonaro acena ao Nordeste

11 de novembro de 2019 às 21h13 Por Heron Cid
Jair Bolsonaro durante entrega de casas em Campina Grande; novo cenário obriga presidente a desobstruir relação com a região

Três dias depois da saída do ex-presidente Lula da prisão, a agenda do presidente Jair Bolsonaro (PSL) não poderia ter sido em cidade mais emblemática; Campina Grande, uma das mais importantes do Interior do Nordeste, região na qual o PT desfruta de grande prestígio eleitoral.

A solenidade de entrega do Complexo Aluísio Campos caiu como uma luva. E Bolsonaro soube usar e abusar da coincidência ao acenar para os nordestinos, um nicho eleitoral que ainda apresenta conhecidas resistências ao bolsonarismo.

Encontrou em Campina Grande, cidade com tradições liberais e de direita, um terreno fértil. Afinal, lá ele venceu nos dois turnos. Aliás, a esquerda tem histórica dificuldade de penetrar na terra dos tropeiros da Borborema, um povo vocacionado à atividade produtiva e, portanto, mais independente.

No seu discurso, o presidente anunciou a chegada de “vultosos” investimentos privados, resultado de suas viagens internacionais, e que parte desse aporte desembarcará no Nordeste.

“Não há como falar no futuro do Brasil, sem falar no Nordeste”, lapidou Bolsonaro, encerrando posteriormente o pronunciamento chamando os nordestinos de “irmãos”.

Na fala, afagos bem humorados a políticos da cidade. Citou nominalmente um a um e elencou passagens de convivência na vida parlamentar em Brasília. Bem ao estilo do que defendeu recentemente, em entrevista ao Blog, o novo líder do governo, senador Eduardo Gomes (MDB).

Os gestos de Bolsonaro em Campina Grande demonstram, na prática, a tese da intenção de desobstruir a tensa relação com o Nordeste. Com a volta de Lula ao front, essa intenção agora é uma necessidade eleitoral estratégica. Dividir o território em que o PT reina quase sozinho.

Vídeo

Hora H: ‘Happy Hour’ resume com humor semana na política; ouça


Vida de gado

Dona Candinha sobre a elevação do preço da carne:

"Estão cortando na nossa carne!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Manoel Junior será candidato em João Pessoa ou em Pedras de Fogo?
NÚMERO

246,6 milhões

Produção em toneladas de acordo com terceira estimativa da safra 2019/20 de grãos no Brasil, com aumento de 1,9%, equivalente a 4,6 milhões de toneladas, sobre a safra 2018/19. Os números projetam novo recorde da série histórica e foram divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).