Bastidores

“Se Bolsonaro errar…” (por Diogo Mainardi)

9 de novembro de 2019 às 12h42
Flashback.

Em fevereiro, noticiei que os militares do Palácio do Planalto estavam irritados com os filhos do presidente. Espantosamente, eles negaram o fato. Em particular, o general Augusto Heleno, que até aquele momento era visto como o único capaz de tutelar Jair Bolsonaro e impedir que os detritos das redes sociais emporcalhassem as atividades do governo. Eu estava certo: os generais quatro estrelas detestavam Carlos, Eduardo e Flávio (nessa ordem). E eu estava errado (muito errado): apesar de plantarem notas na imprensa, acusando os herdeiros de Jair Bolsonaro, as altas patentes militares fugiam desesperadamente do confronto, porque temiam o bombardeio no Twitter.Fast forward.

Um a um, os generais governistas foram sendo abatidos. Agora, só sobraram aqueles que se renderam às tropas digitais. Os filhos de Jair Bolsonaro, por outro lado, tornaram-se as figuras mais rejeitadas do Brasil. Uma pesquisa do Jota, divulgada alguns dias atrás, mostrou que Flávio Bolsonaro é reprovado por 41% dos brasileiros e aprovado por 14,6%, e Eduardo Bolsonaro é reprovado por 38,6% e aprovado por 18,1%. Os bolsonaristas, claro, desconfiam de todas as pesquisas, mas os mesmos entrevistados que reprovaram o desempenho da dinastia presidencial responderam igualmente que “os direitos humanos atrapalham no combate ao crime” (55,3%), que “precisamos punir os criminosos com mais tempo de cadeia” (84,2%), que “a internet permite descobrir verdades que os jornais e a TV querem esconder” (70,7%) e que “as novelas da Globo não respeitam valores morais” (68,8%). Os filhos do presidente, portanto, foram reprovados por eleitores que, em sua maioria esmagadora, concordam com o que eles pensam.

Flashback.

Em fevereiro, a pergunta era: os militares planejam derrubar Jair Bolsonaro?

Fast Forward.

Em novembro, depois de 300 dias de governo, o risco é outro. A pesquisa do Jota fez a seguinte pergunta: “se Bolsonaro errar, o povo tira ele como tirou Dilma e Collor?” Resultado: 75,7% dos entrevistados responderam que sim.

Crusoé

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.