Bastidores

A soltura de Lula: uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa

8 de novembro de 2019 às 18h26

Como era de se esperar, o ex-presidente Lula e o PT estão tratando a libertação do petista, consequência imediata da reinterpretação do STF sobre prisão em segunda instância, como atestado de inocência.

É redundante, mas é preciso ressaltar que a decisão pela libertação, atendendo a pedido dos advogados, não entra no mérito da condenação no âmbito da Lava Jato.

Ao soltar Lula, o juiz federal Danilo Pereira Jr, da 12ª Vara Federal de Curitiba, não escreveu uma linha sobre as acusações que levaram o ex-presidente a ser condenado em primeira, segunda e terceira instância, o STJ.

Apenas, entendeu que, com a mais nova e recente jurisprudência do Supremo, Lula é um dos presos com recurso pendente e, portanto, sem trânsito em julgado.

Lula, o PT e sua militância, claro, não querem saber desse ‘detalhe’. O mais importante, politicamente, é faturar em cima.

Vídeo

Vídeo: capital e social, é possível unir? Diego Tavares responde


Novo descobrimento

Dona Candinha fez uma nova proclamação da República:

"O nosso 'príncipe' é princesa!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se Cássio Cunha Lima se animar para disputar a Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

 7,4%

Previsão de acréscimo ao orçamento anual do Estado de 2020 em relação ao ano passado, conforme o Plano Plurianual (PPA) 2020-2023.