Opinião

A disputa de narrativas já faz a primeira vítima

28 de outubro de 2019 às 12h31 Por Heron Cid
PSB e Governo andam em caminhos opostos; boicote partidário agora chega à gestão

A conflagração entre PSB e governo chegou ao nível da irreversibilidade. Na prática, resta apenas a disputa pelas narrativas de quem é a vítima e qual é o nome do algoz. Nada mais.

Essa contenda é que move, nesse instante, os dois lados. Grupos agora antagônicos se esforçam, com gestos e retórica, para botar o rompimento na conta do outro.

Na política, o papel de vítima é sempre o que mais dá terreno para discursos e plataformas. Todo político quer ele para sensibilizar, comover e acusar.

O ricardismo não quer assinar o divórcio, apesar da crise ter se originado nessa ala, ao optar por arrebatar o comando do PSB, via vertical e cartorial, com um traumático processo de intervenção.

O bloco de João, o governador que nomeou praticamente todo o governo com nomes do ‘projeto’, a palavra política e conceitual que traduz Ricardo Coutinho, também não quer dá margem e nem assumir o figurino de promotores do racha.

Essa guerra fria retarda o desfecho e coloca em frisson a classe política que circunda ambos de perto e a que acompanha o enfrentamento de longe, a oposição.

Os últimos fatos, entretanto, esticaram a corda e a tensão ao máximo. O governador já é açoitado pública e reiteradamente, via terceiros.

Se antes a questão era apenas partidária, agora o boicote chegou às raias da gestão, vide o episódio do “nego” às emendas ao Estado por parte do deputado Gervásio Maia.

Nesse caso, já se conhece, antes do fim, a vítima principal: a Paraíba, alvo colateral de uma guerra oriunda da vaidade e da impossibilidade de se conviver no PSB com mais de um líder. E o culpado também.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.