Opinião

Reforma: em 10 meses, Bolsonaro fez o que todos só tentaram

23 de outubro de 2019 às 10h52 Por Heron Cid
O presidente Jair Bolsonaro quebrou paradigmas: promoveu uma reforma profunda, sem a política de barganha (Foto: 20/02/2019 (Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

(BRASÍLIA) – A despeito das crises e das trapalhadas que o próprio governo cria, o presidente Jair Bolsonaro conta com um fator ao seu favor: com todas as críticas, o Congresso tem sido responsável e republicano no trato das questões de interesse nacional. Como é o caso da Reforma da Previdência, aprovada em caráter final, ontem, no Senado.

Essa é a mais ampla e profunda alteração nas regras da Previdência do Brasil. Como todo o parto, dói, mas precisava nascer um novo filho. Não o perfeito, mas o necessário para as adequações e correção de distorções que levaram o regime a praticamente falir e colocar em risco as atuais aposentadorias e as futuras gerações.

O Brasil ainda era um dos poucos países no mundo que não adotava a idade mínima para aposentadoria. Um monstrengo que faz muita gente, especialmente servidor público, alguns dos quais a vida inteira licenciados para outras atividades, sair da ‘ativa’ na casa dos 50 anos de idade, em fase totalmente produtiva, considerando a média de vida brasileira.

A reforma atinge mais os trabalhadores da iniciativa privada, a maioria do sistema. Algumas corporações, organizadas no serviço público, se mobilizaram e ainda conseguiram manter certas vantagens.

No geral, foi a reforma possível. Afora, a oposição pela oposição, movida pela necessidade de manter um discurso, ou um palanque para alguns, o bom senso e os números recomendavam as mudanças. Tanto que os votos apareceram na Câmara e no Senado pelo senso de responsabilidade dos parlamentares.

Esse legado entra na conta do tumultuado governo de Jair Messias Bolsonaro. Em menos de um ano de governo, ele conseguiu o que seus antecessores não fizeram em sucessivos mandatos, apesar de ensaios e tentativas mal-sucedidas. Com uma marca que vale registro: sem negociar cargos e nem ratear estatais para aliados em troca de votos. Pode até parecer pouco, mas é muito para o padrão da nossa cultura política.

Vídeo

Comentário na Hora H: “A triplicação e a hora de a Paraíba testar prestígio”


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
O pedido de CPI das OS, anunciado pela oposição, vai incluir deputados citados em delações?
NÚMERO

R$ 3 milhões

Investimento do Grupo Drumattos, em nova unidade do Camarada Camarão, a ser inaugurada em João Pessoa, com previsão de 80 empregos.