Bastidores

O erro na tática do PT para João Pessoa

22 de outubro de 2019 às 08h39
Ao abraçar tese ainda abstrata, PT queima etapas e joga nomes próprios para o escanteio antes do jogo começar

Pela sua envergadura, o PT tem força para interferir na sucessão de João Pessoa. Erra, todavia, no prenúncio do que parece ser a sua tática.

O partido acena com a decisão de apoiar a virtual candidatura do ex-governador Ricardo Coutinho ao tempo que também diz que tem nomes próprios que serão apresentados no debate, caso o socialista não dispute.

Temos aí um atropelo retórico na mensagem. Quem da legenda se sentirá motivado a fazer esse debate, se sua viabilidade só vai até a à espera da decisão de um filiado de outro partido?

Quem está disposto a figurar na discussão já como Plano B, em caso do cenário de Ricardo não se dispor?

E, nessa circunstância, como o eleitor levará a sério quem do PT se apresente como um pré-candidato nos bairros e plenárias que planeja realizar na cidade, se o partido já publicamente espera uma decisão externa?

E se lá na frente Coutinho não for, o partido apresentará candidato tampão pela ausência do seu pretendido?

Internamente, a capitulação antecipada é uma estratégia política perfeitamente compreensível. Dizê-la para fora é que parece pouco inteligente para um partido com a autoestima do PT.

Vídeo

Comentário na Hora H: “A triplicação e a hora de a Paraíba testar prestígio”


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
O pedido de CPI das OS, anunciado pela oposição, vai incluir deputados citados em delações?
NÚMERO

R$ 3 milhões

Investimento do Grupo Drumattos, em nova unidade do Camarada Camarão, a ser inaugurada em João Pessoa, com previsão de 80 empregos.