Bastidores

O erro na tática do PT para João Pessoa

22 de outubro de 2019 às 08h39
Ao abraçar tese ainda abstrata, PT queima etapas e joga nomes próprios para o escanteio antes do jogo começar

Pela sua envergadura, o PT tem força para interferir na sucessão de João Pessoa. Erra, todavia, no prenúncio do que parece ser a sua tática.

O partido acena com a decisão de apoiar a virtual candidatura do ex-governador Ricardo Coutinho ao tempo que também diz que tem nomes próprios que serão apresentados no debate, caso o socialista não dispute.

Temos aí um atropelo retórico na mensagem. Quem da legenda se sentirá motivado a fazer esse debate, se sua viabilidade só vai até a à espera da decisão de um filiado de outro partido?

Quem está disposto a figurar na discussão já como Plano B, em caso do cenário de Ricardo não se dispor?

E, nessa circunstância, como o eleitor levará a sério quem do PT se apresente como um pré-candidato nos bairros e plenárias que planeja realizar na cidade, se o partido já publicamente espera uma decisão externa?

E se lá na frente Coutinho não for, o partido apresentará candidato tampão pela ausência do seu pretendido?

Internamente, a capitulação antecipada é uma estratégia política perfeitamente compreensível. Dizê-la para fora é que parece pouco inteligente para um partido com a autoestima do PT.

Vídeo

Heron Cid no Hora H: “O mérito de Bolsonaro”


Amém

Dona Candinha sobre a escolha, enfim, depois de muita polêmica, do novo ministro da Educação. E é pastor:

"Aleluia!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
E se não for Tovar e nem Bruno em Campina Grande, pelo bloco de Romero?
NÚMERO

R$ 3,5 bilhões 

Valor disponibilizado pelo Banco do Nordeste para agricultura familiar para o Plano Safra 2020/2021.