Opinião

A crise e o que as empresas de ônibus não mostram

22 de outubro de 2019 às 08h27 Por Heron Cid
Motoristas "paralisaram" atividades para protestar contra o risco de colapso do sistema

Há 15 dias, pelo menos, as empresas de transportes urbanos em João Pessoa ocupam espaço na mídia e no debate público.

A mensagem – repetida à axaustão – é uma só: o sistema está em colapso e corre o risco de quebrar se… Os órgãos públicos não aumentarem a fiscalização e não abrirem mão de impostos, como o ISS, para diminuir os custos da operação.

Culpam os clandestinos, o avanço dos motoristas de aplicativos, a economia e até, como se vê, a estrutura de poder. Tudo bem, mas onde está a parcela das próprias empresas? Nisso, pouco ou nada se fala.

Os serviços alternativos só tomaram conta do meio por uma imperiosa lei de mercado: a oferta é resultado da procura. E essa procura vem da insatisfação com incômodos recorrentes de quem precisa pegar o ônibus para se locomover.

Atrasos, desconforto, baixa capacitação no atendimento, paradas desconvidativas pela exposição à chuva, sol e assaltos, são alguns dos itens do pacote que ninguém quer pagar. Ou não paga satisfeito. Aqui e alhures.

Quando pode, o usuário foge do suplício. Ora entrando no sacrifício de comprar o próprio transporte, ora recorrendo a meios paralelos. Incluindo aí, infelizmente, o famigerado clandestino.

A pergunta central: como um sistema, até pouco tempo único e monopolizado, se dissolve tão rapidamente feito Sonrisal?

Popular e indispensável ao cidadão das camadas mais baixas, sobretudo as trabalhadoras, o serviço cumpre um relevante papel social e precisa se manter vivo. De preferência, com qualidade superior ao que temos. Seu ocaso, a curto prazo, seria um desastre que deixaria órfã uma demanda complexa e de difícil solução.

As empresas, porém, não podem cobrar dos outros antes de fazer a sua intransferível parte.  Ninguém fará aquilo que só elas podem por si mesmas. Essa necessária autocrítica, ou sua ausência, pode determinar se essa crise é quadro passageiro ou o começo do ponto final.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.