Bastidores

Moro, o Coringa de Bolsonaro (por Ricardo Noblat)

8 de outubro de 2019 às 09h53
A esta altura do jogo, de pouco valem as afirmações do ex-juiz Sérgio Moro de que não será candidato à sucessão de Jair Bolsonaro, nem candidato a vice na sua chapa, ou de que apenas deseja servir ao governo até o fim como ministro da Justiça.

O futuro de Moro não pertence a ele, mas a Bolsonaro. Ou ao que acontecer com Bolsonaro. É assim desde que Moro aposentou a toga na condição de herói brasileiro da luta contra a corrupção para aderir ao candidato que mais se beneficiou do que ele fez.

Em qualquer parte do mundo seria um escândalo de grande monta um juiz influenciar a história política do seu país do modo tão marcante como Moro fez para no momento seguinte ir servir sem nenhum pudor ao presidente que ajudou a eleger. Não aqui.

Moro entrou no governo como um dos dois ministros irremovíveis, com a mesma estatura de Paulo “Posto Ipiranga” Guedes, o xerife da Economia. Fazia sentido. Guedes avalizou Bolsonaro junto aos donos das grandes fortunas. Moro, junto aos revoltados.

Nove fora nove meses de governo, restou a Moro a popularidade quase intacta da porta do ministério para o meio da rua. Da porta do ministério para dentro do governo apagou-se seu facho. Virou um reles tarefeiro do capitão – e não dos seus próprios sonhos.

Quem no passado dizia que Caixa 2 era um crime contra a democracia perdoou seu colega Onyx Lorenzoni, chefe da Casa Civil da presidente da República, que recebeu R$ 100 mil de ajuda omitida da Justiça e depois declarou-se arrependido.

Onde estava Queiroz? Moro nunca quis saber. E se soube nunca contou. E a suspeita de envolvimento do senador Flávio Bolsonaro com desvio de dinheiro dos salários pagos a seus funcionários na época em que era deputado estadual? Moro calou-se.

A Bolsonaro repassou informações sigilosas apuradas pela Polícia Federal sobre candidaturas laranja do PSL de Minas Gerais – o que não poderia ter feito. E saiu em defesa dele quando Bolsonaro foi citado como possível favorecido pelos resultados do laranjal.

É o Coringa do presidente. Aquele que Bolsonaro saca para vencer a mão quando ela parece empatada ou perdida. Chefia uma espécie de esquadrão especializado em limpar a cena de controvérsias capazes de abalar o governo ou alguns dos seus personagens.

Executa bem o serviço – e, por isso, Bolsonaro o tolera, embora o tema pelo que sabe e por ser mais popular do que ele. Se preferir livrar-se de sua companhia, o indicará para ministro do Supremo Tribunal Federal na vaga de Celso de Mello, o decano da Corte.

Se não, poderá preservá-lo como o nome para a vaga de Hamilton Mourão, o vice-presidente descartável a partir de 2022. Moro procede como se estivesse conformado com a perda de controle sobre seu destino. Entregou-o a Deus – ou melhor, a Bolsonaro.

Veja

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Carnaval abre folia eleitoral de 2020”


Canonização

Dona Candinha sobre o encontro do ex-presidente Lula e Francisco, no Vaticano:

"Um santo e o Papa!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se João Azevêdo e Luciano Cartaxo se entenderem, tem segundo turno em João Pessoa?
NÚMERO

200 mil

Estimativa de público, durante as cinco noites da Festa da Luz, realizada no Parque do Poeta Ronaldo Cunha Lima, em Guarabira.