Opinião

Um ‘oásis’ no Sertão

20 de setembro de 2019 às 17h10 Por Heron Cid
No deserto de bons prefeitos, São José de Piranhas brota exemplo de que é possível plantar e colher diferente

Já pensou ser servidor público de uma cidade que paga o salário com até vinte dias antes do mês terminar?

E morar numa cidade que, além de pagar antecipado ao servidor, mantém serviços públicos em funcionamento com qualidade acima da média da região?

E, se possível, ainda ter obras novas durante o ano inteiro?

Qualquer um gostaria de viver nessa cidade dos sonhos.

E se alguém disser que ela existe ?

Pois acredite, em São José de Piranhas, Alto Sertão paraibano, isso é realidade e faz parte do cotidiano dos seus mais de 20 mil moradores.

Para o prefeito do município, esse ‘sucesso’ não tem segredo: “Gestão”, resume com uma palavra Chico Mendes (PSB), no seu primeiro mandato.

O grau de autoestima da cidade com seu atual gestor – homem da iniciativa privada que decidiu dedicar parte dos seus anos à sua terra natal – surpreende e desafia até as estatísticas e os padrões de avaliação, numa quadra em que prefeitos penam.

Pesquisa recente do acreditado Instituto Opinião, divulgada no Portal MaisPB, trouxe um dado que quebra paradigmas.

Quase 90% dos munícipes (89,9% para ser mais exato) aprovam o modelo de governo implementado na cidade nos últimos três anos.

Um índice capaz de esmorecer o maior dos adversários. Um número que, por outro lado, prova que é possível administrar recursos e multiplicá-lo em ações.

E não é milagre. É gestão, como diz Mendes.

E ainda sobra para, com criatividade, levar diversão à rua. Logo mais na noite desta sexta-feira até segunda, a cidade sertaneja se comprime para receber milhares de turistas na nova edição da Micaranhas, evento tradicional do município.

Motivo para festejar São José de Piranhas tem. A maioria dos cidadãos de municípios Paraíba afora, vítimas de incompetência administrativa, não pode dizer o mesmo.

Vídeo

Entrevista: Adalberto diz quais são os trunfos de Luciano para eleger sucessor


Queimação geral

Dona Candinha comenta o derrame de petróleo na costa brasileira:

"Até no mar, a coisa tá preta!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Sem pedido de emendas federais para a obra, a Prefeitura de Campina Grande desistiu do VLT?
NÚMERO

90

Número de páginas do documento do Gaeco-Paraíba que fundamentou pedido de buscas e apreensão e de prisões preventivas na quinta fase da Operação Calvário.