Opinião

Sem emprego e crescimento, tá difícil “Jair se acostumando”

14 de setembro de 2019 às 12h51 Por Heron Cid
Fila de emprego em mutirão em São Paulo: governo mudou, mas desalento por renda ainda é o mesmo

Muito da expectativa de quem votou em Jair Bolsonaro, em 2018, estava no lampejo de esperança de retomada do crescimento e do emprego.

Paulo Guedes, o homem do mercado, era esse sinal do então candidato para a economia.

Veio a reforma da previdência e está em curso a tramitação da reforma tributária.

E o tão esperado crescimento econômico teima em não mandar notícias para o cidadão, o empresário e, especialmente, ao desempregado.

Ao que tudo indica, em matéria de economia, 2019 será mais um ano perdido.

Outro que entra na conta de uma série que vem desde 2014. São quase cinco anos de padecimento e recessão.

Bolsonaro foi eleito com perspectiva de sustentar uma pauta tripé: aliança no combate à corrupção, emprego e a pauta de costumes.

Até aqui tem empenhado maior energia na última, com algum sucesso ideológico. A segunda ainda está estagnada e a primeira cada vez menos se encaixa na silhueta dos gestos do governo. Moro que o diga.

Sem emprego, sem renda e sem crescimento, não tá fácil seguir a provocação da campanha e “Jair se acostumando”.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Um dia é do ‘réu’, outro do relator”


Foliando

Dona Candinha sobre a determinação do uso de tornozeleira eletrônica para investigados na Operação Calvário:

"Isso é que é pular carnaval com um pé só!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual será o despacho do desembargador Ricardo Vital, a quem cabe a tarefa de adaptar as medidas cautelares contra Ricardo Coutinho?
NÚMERO

1

Assassinato por hora no Ceará, depois do motim dos policiais militares.