Bastidores

Intervenção no PSB e a avant premiere do filme do rompimento

10 de setembro de 2019 às 10h58
Alas do PSB esticaram a corda até o limite máximo: partido vive traumático processo de intervenção vertical

Reportagem de Maurílio Júnior, no Portal MaisPB, traz a avant premiere do filme cujo roteiro terminou de ser acabado ontem em Brasília, no diretório nacional do PSB, com a consolidação da intervenção no diretório estadual da Paraíba. No dia seguinte, prefeitos do partido já anunciam disposição de deixar a legenda, agora sob o domínio do interventor nomeado para presidir a comissão provisória, o ex-governador Ricardo Coutinho. Ao Portal MaisPB, dois primeiro prefeitos (Rio tinto e Lucena) avisaram que estão de saída. Reclamam do encaminhamento cartorial (de cima pra baixo) e questionam qual motivo levou esse racha, já que não há nenhuma interrupção programática do chamado “projeto”. Outros gestores assinaram a carta enviada pela ala de João Azevêdo para a reunião de ontem na capital federal, que resultou na instituição de uma comissão provisória, exatamente o que o grupo do governador disse expressamente rejeitar por considerar uma medida antidemocrática contra um diretório eleito até 2020.

Confira a reportagem na íntegra:

A crise do PSB caminha para uma debandada de lideranças municipais. Os prefeitos Marcelo Monteiro (Lucena) e Fernando Naya (Rio Tinto) disseram, na manhã desta terça-feira (10), ao Portal MaisPB, que deixarão o PSB, em decorrência da crise instalada pelo grupo do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB).

A exemplo de seis prefeitos, que assinaram a carta enviada pelo governador João Azevêdo (PSB) à direção nacional, Monteiro e Naya são contra a intervenção na legenda. Ontem (9), em Brasília, o presidente Carlos Siqueira anunciou que Coutinho assumirá a presidência da Comissão Provisória da sigla, em substituição a Edvaldo Rosas, destituído do cargo, após uma articulação do grupo do ex-governador.

O prefeito de Lucena, Marcelo Monteiro, adiantou que seguirá João Azevêdo para onde ele for e criticou Ricardo Coutinho. “A gente aqui acompanha o governador João Azevêdo. Sigo o governador para o partido que ele for. Como já disse o presidente da Assembleia [Adriano Galdino], Ricardo era para ter conversado antes e não ter ido por cima”.

Naya anunciou que também ficará ao lado de Azevêdo por “coerência”. “Em 2007, eu fazia parte do PPS. Na época o presidente era Hermano Nepomuceno e teve uma intervenção de cima para baixo, e junto com Hermano, saímos do partido e fomos para o PSB. Diante dessa situação, onde Edvaldo Rosas e o governador João Azevêdo não receberam nenhuma satisfação, nem os prefeitos, manterei minha linha de coerência e não seguirei no partido, a não ser que o governador ficasse no comando. Edvaldo é um cara direito e de forma alguma eu poderia ser incoerente e concordar com esse tipo de articulação. Como já disse João Azevêdo, que não permanece no partido, eu também não permanecerei”, justificou.

O prefeito de Rio Tinto ressaltou que o lado escolhido representa o da democracia. “João Azevêdo tem feito o papel dele. Não vejo nada que não esteja sendo cumprido para tocar o projeto, que defendemos desde 2010. João tem sido competente e dialogado com as instituições. Fico do lado da coerência, da democracia e do governado João Azevêdo”, complementou Fernando Naya.

Os prefeitos Chico Mendes (São José dos Piranhas), Ricardo Pereira (Princesa Isabel), Mária Eunice (Mamanguape), Benício Araújo (Pilar), Murilo Nunes (Araçagi) e Fábio Tyrone (Sousa) acompanharam o governador João Azevêdo na carta enviada à direção nacional do PSB.

Maurílio Júnior – MaisPB

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
O pedido de CPI das OS, anunciado pela oposição, vai incluir deputados citados em delações?
NÚMERO

R$ 3 milhões

Investimento do Grupo Drumattos, em nova unidade do Camarada Camarão, a ser inaugurada em João Pessoa, com previsão de 80 empregos.