Opinião

João governa num campo minado

9 de setembro de 2019 às 13h15 Por Heron Cid
Governador anda sobre território de instabilidades; bombas armadas no caminho e boicotes ameaçam desempenho

Várias repartições públicas estatuais da Paraíba já reproduzem o que está estabelecido nos bastidores e até em gestos públicos: o racha no PSB e no governo é real.

Em algumas delas, os grupos de João Azevêdo, governador, e Ricardo Coutinho, ex-governador, podem ser facilmente identificados.

Com uma especificidade. A ala do governo anterior trabalha contra o atual.

Uns mais ousados sem qualquer constrangimento. Os mais comedidos com alguma prudência para preservação do contracheque.

A guerra interna e disputa de poderes funcionam como uma espécie de área movediça a segurar os pés do atual governador num ponto de estagnação.

O governo não pode andar.

Para isso, toda uma entourage encrustada na máquina faz o trabalho de segurá-la em ponto morto.

Esses agem pelo raciocínio segundo o qual detêm, por legitimidade e antiguidade, parte da propriedade intelectual e política do governo.

Nesse pensamento, a gestão só pode dar certo se a relação política estiver totalmente sintonizada com o chefe anterior. Do contrário, boicote.

Participar de um processo que se construiu é conquista e direito. Desestruturá-lo, por birra, é outra coisa.

Não saem e nem respeitam a autoridade de quem está no comando. A obediência e reverência somente a quem os colocou lá. Não a quem os manteve.

Algo parecido com o que houve em tempos da crise em torno de Luciano Agra, na Prefeitura de João Pessoa, em 2012.

Agra foi por um período um prefeito que via seu despachos e bilhetes solenemente ignorados por alguns secretários e assessores.

Há, naturalmente, soldados devotados pelo governo anterior infiltrados em todas as esferas. Se brincar, até na guarda pessoal do governador.

As bombas estão espalhadas por todo o território onde João pisa. Um campo minado difícil de ser desarmado.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
O pedido de CPI das OS, anunciado pela oposição, vai incluir deputados citados em delações?
NÚMERO

R$ 3 milhões

Investimento do Grupo Drumattos, em nova unidade do Camarada Camarão, a ser inaugurada em João Pessoa, com previsão de 80 empregos.