Opinião

Crise ética no PSB; denúncias confrontam discurso

6 de setembro de 2019 às 09h39 Por Heron Cid
Partido vive momento de crise de identidade e confronto entre pregação e prática

“Coisa boa não tem nesse PSB, inclusive, estava lendo uma matéria sobre a ex-secretária Livânia [Farias]. Vou para um partido decente no tempo certo. No PSB não fico mais”.

O desabafo ao Portal MaisPB é de um vereador da pequena Ibiara. Chama-se Francinaldo Galdino de Lima (PSB), presidente da Câmara da cidade.

Pode até ser uma agulha no palheiro, mas fala muito sobre o momento de desconforto público que vive o PSB, o maior partido do Estado.

Balançado por um redemoinho de denúncias patrocinadas pelo Ministério Público, o partido atravessa um momento de turbulência na crise ética com a política e a sociedade paraibana.

Erguido na Paraíba sob a égide da postura da diferença dos demais e sempre de dedo em riste para as demais lideranças, inclusive aliadas, a sigla está mergulhada no olho do furacão, em nova etapa da Operação Calvário, desdobramento de uma novela para outros episódios.

Bastou a primeira cápsula da delação da ex-toda poderosa Livânia Farias, que segundo seu próprio depoimento estava para o projeto do partido como um Palloci para o PT, e o discurso da legenda foi empurrado ao abismo.

O sentimento do modesto vereador do Vale do Piancó pode nem ser suficiente para indicar uma generalização interna.

Entretanto, são sinais da base a fustigar dirigentes, lideranças maiores e militância.

Se o atual quadro causa constrangimento a um parlamentar distante do epicentro da crise, o bombardeio e questionamento de níveis nunca dantes vistos por estas terras tabajaras não devem despertar menor preocupação e desconsolo à cúpula.

Ou pelo menos não deveria.

Vídeo

Repórter MaisTV: Paraíba só tem 30 km de ferrovia ativa


Ressignificando

Se a CPMF voltasse, Dona Candinha já estava pronta para traduzir a nova sigla:

"Cota Permanente para Mamar e Ferrar (CPMF)"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Azevêdo diz que “há outros motivos por trás” da intervenção no PSB: quais são?
NÚMERO

57%

Percentual de ampliação dos recursos destinados para o Programa de Qualificação das Ações da Vigilância em Saúde – PQA-VS, do Ministério da Saúde, para a Secretaria de Estado da Saúde (SES), valor que saltou de R$ 700 mil para mais de R$ 1,1 milhão.