Opinião

Uma novela de oito anos

5 de setembro de 2019 às 10h12 Por Heron Cid
Em despacho, o então delegado geral Raimundo Silvany encaminha inquérito para o Governo do Estado decidir com visão política o que seria de competência criminal

Junho de 2011. Delegados da Polícia Civil interceptam e apreendem um carro e seu motorista. Nele, encontram R$ 81 mil em envelopes marcados por iniciais.

O inquérito levanta a suspeita de que o montante, proveniente de um escritório de advocacia de Natal, seria para pagamento de propinas a ex-secretários da Prefeitura de João Pessoa na gestão de Ricardo Coutinho, quase todos aproveitados posteriormente no Governo do Estado.

Um despacho do então delegado-geral Raimundo Silvany encaminhou a documentação para o Palácio da Redenção decidir politicamente sobre o caso.

A investigação, como se sabe, foi misteriosamente sacrificada. O mais grave: celular e outras provas materiais teriam sido raptados de dentro da (quem diria?!) Secretária de Segurança Pública.

Se a ação policial era política dos delegados, como sugeria o despacho, o que justifica o fato de praticamente todos os que participaram da operação terem sido promovidos?

O caso veio à tona na campanha de 2014, de forma anônima. Nunca se soube se esse material chegou ao Ministério Público, por dever de ofício, como manda o script.

Até um inquérito interno no MP foi aberto para identificar o paradeiro e desvendar o mistério. Nunca, ao longo desse tempo, se teve uma resposta concreta.

Oito anos depois, já com nova conjuntura política, o enigma começa ser decifrado. Parte da delação premiada da ex-secretária Livânia Farias se dedicou a tratar do caso daquele junho de 2011.

Ela, segundo o MP, diz que a suspeita da apreensão era verdadeira e os policiais estavam certos. O dinheiro seria para pagamento de comissões a agentes públicos, ela entre eles.

Mas o labirinto ainda não está totalmente elucidado. Perguntas continuam no ar e ainda carecem de respostas.

Quem prevaricou?

Esse inquérito algum dia chegou mesmo ao MP? Se chegou, para onde foi e por que morreu de asfixia?

Se não chegou, quem foi o responsável pela sua interceptação e morte? Com ordem de quem?

Cenas do próximo capítulo!

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
O pedido de CPI das OS, anunciado pela oposição, vai incluir deputados citados em delações?
NÚMERO

R$ 3 milhões

Investimento do Grupo Drumattos, em nova unidade do Camarada Camarão, a ser inaugurada em João Pessoa, com previsão de 80 empregos.