Opinião

Travessia (para Rubens Nóbrega)

27 de agosto de 2019 às 08h05 Por Heron Cid
*Rubens Nóbrega - o jornalista que me inspirou a voar nas letras e planar nas palavras

(São Paulo) – O dia nem raiou ainda. São 5h30. Do avião, cortando os céus desse imenso Brasil e sem sono para desligar, me ligo no dever de escrever sobre um assunto da política ou do cotidiano nesta manhã de terça.

E por que esperar o dia amanhecer? Saco o celular, esse generoso de mil e quase todas utilidades que “facilitou” a vida de todos os mortais. Ainda mais a nossa, a dos jornalistas, os sujeitos da terra mais tentados à presunção da imortalidade.

Com as luzes apagadas e muito ronco (não o das turbinas), daqui mesmo dessa apertada cadeira cumpro essa missão, dou uma satisfação, bato o ponto e – por fugir da análise política – já peço vênia “aos leitores possíveis”. Essa frase aspeada, confesso, é só para encaixar um jeito de invocar uma expressão de Rubens Nóbrega, que faz grande falta nesse exílio voluntário e silencioso das suas sempre precisas palavras.

Aí lembro das vezes que o professor Rubens, de quem fui privilegiado estagiário na UFPB, inspirou-me ainda antes de conhecê-lo e mais tarde estimulou-me na admiração a enxertar no meu jornalismo o exercício da palavra escrita.

Se me fiz no rádio, me refiz na TV, toco me refazendo na produção textual e digital, um prazer que disputa a tapas com a mágica das ondas moduladas e toma de assalto o frisson e frio na barriga da magnética.

Mas onde estava mesmo? Ah, citando Rubens, mestre no artesanato dos substantivos, vírgulas, pontos, na prosa escorreita, no diálogo franco e na sua poesia da lavoura jornalística.

Ao arrebatá-lo do deleite do merecido descanso nesta madrugada, importunando-lhe com essa transfusão mental, também desperto outros doutores na arte: Agnaldo Almeida, Nonato Guedes, Martinho Moreira Franco, Gonzaga… Matutinos por hábito, já devem estar todos acordados. Menos mal.

E o faço nessa Travessia aérea, de fones nos ouvidos quase moucos, bebendo em Milton Nascimento. Uns versos que vão e vêm zumbindo como se tivessem sido feitos para mim e ajustados para essa nova fase de vida e de ofício.

“Basta contar compasso/ E basta contar consigo/ Que a chama não tem pavio”, ensina-me “Clube da Esquina II”. Para os desafios, o conselho de “Maria, Maria”: “É preciso ter manha/ É preciso ter graça/ É preciso ter sonho sempre/ Quem traz na pele essa marca/ Possui a estranha mania de ter fé na vida”.

“Enquanto a chamar arder/ Todo dia é de viver”, instiga-me o “Amor de Índio”. E o encorajamento para “Nada a temer senão o correr da luta/ Nada a fazer senão esquecer o medo”.

No vidro embaçado da ‘janela lateral’, a não sei quantos mil pés, reconheço-me nos Encontros e Despedidas, quase em auto-retrato: “Coisa que gosto é poder partir sem ter plano/ Melhor ainda é voltar quando quero”.

Chegamos, o piloto avisou no alto-falante: “Tripulação: atenção para o pouso”! Eu respondo em pensamento olhando o sol entre nuvens na pequena fresta: “O trem que chega é o mesmo trem da partida”.

Por hoje está cumprido meu labor com você, que agora tanto se esforça para me ler. Agora vou descer e “Vou me encontrar longe do meu lugar/ Eu caçador de mim”. Porque – toca a última canção da minha playlist – “longe se vai sonhando demais”.

Vídeo

Vídeo: Wallison Bezerra revela bastidores da mudança da TV Tambaú para Rede Mais


Novo descobrimento

Dona Candinha fez uma nova proclamação da República:

"O nosso 'príncipe' é princesa!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Entre os secretários, quem tem mais chances de ser o ‘ungido’ de Luciano Cartaxo para 2020?
NÚMERO

 7,4%

Previsão de acréscimo ao orçamento anual do Estado de 2020 em relação ao ano passado, conforme o Plano Plurianual (PPA) 2020-2023.