Bastidores

Fogo brando (por Dora Kramer)

13 de agosto de 2019 às 14h00
(Cristiano Mariz/VEJA)
Declarações do presidente sobre propostas e condutas do ministro da Justiça suscitaram a interpretação de que Jair Bolsonaro tivesse posto Sergio Moro na frigideira de incinerar subordinados. Não é isso. Bolsonaro pode ser visto como maluco, age como tal, mas não rasga votos.

Uma coisa é o presidente procurar diminuir o tamanho do ministro a fim de reduzir também o volume da sombra que lhe faz Moro no certame de popularidade. Outra bem diferente é Bolsonaro abrir mão de um capital tão importante quanto Sergio Moro, conforme indicam as pesquisas de opinião. O bolsonarista de raiz gosta de Moro e, portanto, uma demissão por iniciativa presidencial só lhe traria prejuízos.

No lugar da “fritura” seria mais correto interpretar que o presidente cozinha o ministro em fogo baixo. Não tão fraco que permita o auxiliar se sentir muito independente devido ao respaldo popular nem tão forte que provoque a perda de um ativo eleitoral de peso.

A dúvida é qual a razão de Sergio Moro aguentar humilhações sem aparentemente se perturbar. A resposta talvez esteja na constatação de que não fez o melhor negócio do mundo ao deixar a carreira de juiz, mas que agora a única opção para atravessar o deserto é seguir em frente na mesma trilha na esperança de encontrar adiante o conforto de um oásis.

Veja

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
O pedido de CPI das OS, anunciado pela oposição, vai incluir deputados citados em delações?
NÚMERO

R$ 3 milhões

Investimento do Grupo Drumattos, em nova unidade do Camarada Camarão, a ser inaugurada em João Pessoa, com previsão de 80 empregos.