Bastidores

Prêmio araponga de jornalismo (por Guilherme Fiúza)

13 de julho de 2019 às 14h00
Memória, verdade e justiça: 50 anos da luta LGBTI+. Jornalista, Gleen Grenwald - 25/06/2019 (Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
Conversa entre dois jornalistas investigativos de último tipo:

— E o Deltan, hein?

— Caiu bonito!

— Lava Jato já era.

— A gente é bom.

— Jornalismo é missão, meu caro.

— Missão cumprida!

— Como assim?

— Ué, não era pra ferrar os menudos do Moro?

— Era, mas não é pra falar isso.

— Porra, só tem a gente aqui.

— Tá, mas se amanhã alguém me compra eu posso te detonar…

— O que?!

— Não… “Compra” que eu digo é se alguém me encanta com uma verdade superior.

— Ah, tá. Tipo o Lula fez com a gente.

— É… Tipo isso.

— Cara, mas Lula só tem um!

— Você que pensa.

— Ah, dane-se. Prefiro me concentrar na missão jornalística. Se mudarem a missão, eu mudo o jornalismo. Aí fica tudo igual.

— Perfeito. Acho que você entendeu o Einstein.

— Ele não era tão relativo assim. Mas confesso que estudei muito.

— Seu professor de física era aquele gente boa do PSOL?

— Não lembro se era física, mas PSOL com certeza.

— É, não dá pra lembrar tudo.

— Se esses caras da Lava Jato tivessem tido a formação democrática que a gente teve não tavam aí tentando censurar os outros.

— Muito menos censurar um preso político como o Lula, perseguido injustamente no lugar de um amigo dele.

— De um, não. De vários. O do triplex, o do sítio, o da cobertura em São Bernardo, o do terreno do Instituto Amigo do Lula, o de Angola, o da Medida Provisória, o da sonda, o da…

— Resume aí, cara. O Lula tem um milhão de amigos. Ponto.

— Imagina: um milhão de amigos querendo ouvir uma entrevista sua de dentro da cadeia e esses fascistas da Lava Jato tentando te censurar…

— Pois é. Pros que tão presos também até nem faz tanta diferença, mas os que tão soltos precisam saber o que fazer com a grana…

— Não, mas esse lance de decidir se é pra investir em pneu velho, em mortadela, em juiz, em jornalista… isso os advogados repassam.

— Tudo bem, mas não é a mesma coisa. É angustiante ficar sem ouvir aquela voz.

— O fato é que a Lava Jato perdeu e a entrevista foi linda!

— Impressionante a pureza do Lula quando não tem nenhum fascista pra atrapalhar.

— Eu acho que vi a auréola dele.

— Aquilo é efeito.

— De quem? Da Polícia Federal?

— Claro que não. Quando a alma é muito honesta ela projeta uma luz que só jornalista investigativo como a gente enxerga.

— Ah, tá. Mas então dá no mesmo.

— É, dá no mesmo.

— Qualquer coisa se não ficar legal a gente edita.

— Pronto.

— Missão é missão.

— Se mudar, me avisa.

— Te aviso. Ou te detono, o que for melhor pra mim.

— Aprendo muito com o seu pragmatismo.

— Em primeiro lugar a lealdade.

— Ah, tanto faz. Depois a gente edita isso.

— Ok.

Forbes Brasil

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.