Bastidores

O Mito se autocoroou rei da Seleção (por Mario Rosa)

13 de julho de 2019 às 14h00
Vampeta dá cambalhotas na rampa do Palácio do Planalto durante recepção do então presidente, Fernando Henrique Cardoso, aos jogadores pentacampeões do Mundo em 2002

Primeiro, Nelson Rodrigues e sua boutade hoje clássica: o futebol é a pátria de chuteiras. Segundo, o magnífico quadro de Jacques Louis David em que Napoleão segura a coroa nas mãos e se autoproclama imperador. Terceiro, algumas de minhas memórias de mais de 11 anos como pulga de cartola, acompanhando de perto e de dentro os bastidores de presidentes da República e políticos com essa máquina de sonhar, a Seleção Brasileira, a “amarelinha”. Assim como presidentes são “comandantes em chefe” das Forças Armadas, no país do futebol, a Seleção é um elemento simbólico que, de alguma forma, por emanar a nacionalidade, precisa ser capturada de algum jeito pelos governantes de plantão. Ou encurralada. Ou tutelada. Mas é como se um presidente da República não se sentisse totalmente presidente se, em alguma dimensão, a Seleção não se transformasse em um pelotão sob seu comando.

Durante os 11 anos que orbitei em torno da CBF e da Seleção, como consultor de crises de Ricardo Teixeira, e depois numa breve crise com seu sucessor Marco Polo Del Nero, vi de perto (e de dentro) três presidentes interagindo com o escrete canarinho: Fernando Henrique Cardoso, Lula e Michel Temer. Conclusão? A cena de Jair Bolsonaro agarrando-se ao troféu da copa América em pleno gramado do Maracanã lotado em meio ao time campeão (segurar o troféu com o time no tapete verde é pegar carona numa vitória alheia, no final das contas) mostra a ousadia do atual presidente em sequestrar a aura do símbolo máximo da pátria de chuteiras. O instinto por trás do gesto pode ser contundente, como muitas manifestações do Mito, mas não é novo nem surpreendente.

Quem não se lembra das cambalhotas marotas do pentacampeão Vampeta na vestuta rampa do palácio do Planalto, na chegada da Seleção ao Brasil, no Penta de 2002? Eu estava lá no topo da rampa. Era ano de eleições presidenciais e o governo (que disputava contra Lula) inventou uma cerimônia para “condecorar” os nossos heróis. O presidente Fernando Henrique colocava medalhas nos peitos dos atletas, em cerimônia transmitida ao vivo para todo o país. Bolsonaro? Perto disso foi um monge! O governo usava o palácio presidencial para pegar carona na conquista de uma Copa do Mundo. Detalhe: em Tóquio, na madrugada anterior, Ricardo Teixeira foi dormir no hotel com a taça na cama e uma ideia na cabeça: não descer com a Seleção em Brasília. Afinal, o governo tucano fizera duas CPIs contra a CBF e Teixeira queria ver o diabo, menos o então presidente. Mas…Fernando Henrique diabolicamente mobilizou uma Seleção de aliados e infernizou Teixeira, até que o cartola capitulou. O próprio presidente ligava para quem pudesse dissuadir Teixeira. O poder presidencial é representado pela faixa verde amarela. Mas a coroa de rei do país do futebol é ter a Seleção como súdita primeira, especialmente nos triunfos.

Lula, ainda de esquerda, chegou ao Planalto jogando na retranca contra a cartolagem. E passou o primeiro ano num interminável zero a zero com a CBF. Até que em 2004 o então todo poderoso ministro José Dirceu entrou em campo e distensionou o jogo. Foi combinado um “Jogo da Paz”, entre o Brasil e o Haiti. O país estava destroçado após um terremoto e o Exército brasileiro cumpria o papel de força pacificadora, em nome da ONU. Teixeira foi ao Planalto encontrar Lula. O presidente, antes carrancudo com a cartolagem, esbanjou simpatia a portas fechadas. Sabia de cor a escalação de diversos times e desfilou toda sua cultura futebolística. Ao final, o “Jogo da Paz” foi anunciado. Eu me lembro do presidente, dias depois, num salão fechado sem imprensa por perto num hotel em Santo Domingo, na República Dominicana, tirando fotos e gravando vídeos com os jogadores. Dali em diante, a coroa da Seleção estava sobre sua cabeça e Lula usou e abusou desse símbolo da brasilidade.

Michel Temer nunca foi dado a arroubos populistas. Comedido, obedeceu à liturgia do cargo de uma forma quase monástica. Mas…foi em sua gestão que os alicerces do futebol mundial foram sacudidos pelo armagedom do Fifagate, o que provocou a criação de uma CPI no Senado brasileiro. Paulista, como a cúpula da CBF na época já pós-Teixeira, Temer mantinha canais abertos de diálogo com a cartolagem. Mas, como tudo em seu governo, o jogo político era travado no Congresso. Apenas para comparação: enquanto uma CPI da Câmara dos Deputados foi aberta para apurar o escândalo do Petrolão (Petrobras) e sua presidência foi conferida a um talentoso deputado da Paraíba, a CPI do Senado para investigar o futebol foi formada pela primeira divisão do parlamento: o então líder do PT, o ex-ministro e líder do governo se tornou estrategicamente relator da comissão, o ex-presidente Fernando Collor (líder, na ocasião, de um bloco partidário), o presidente do atual Progressistas e o líder do MDB –tamanha densidade política se formou para tratar de um tema aparentemente menos prioritário do que os desmandos da Petrobras. O futebol é a pátria de chuteiras ou não é?

Para todos aqueles que estranharam ou cornetaram a presença do presidente Bolsonaro no gramado do Maraca com a mão na taça, para ser justo, a ousadia está em enfrentar uma torcida inteira de peito aberto. A tentação de se apropriar da força da amarelinha não é nova e, diria, faz quase parte do ofício. Os mais críticos, sempre com razão nos fundamentos teóricos, podem sempre argumentar que a Seleção pertence à torcida e não a governos. Totalmente verdade. Podem dizer que a CBF não é uma entidade estatal, o que também é verdade, mas talvez a grande maioria dos torcedores não tenha nem noção clara disso, tantas e tão repetidas são as investidas de todos os governantes de tornar a Seleção em alguma medida um aparato do oficialismo. O que eu sei é que cartolas olham torto esse tipo de invasão de sua seara. Mas sabem que é melhor um governo que torce a favor do que um que joga contra. Então, todos saíram ganhando: o presidente que vestiu sua coroa de rei do país do futebol, a Seleção, a cartolagem (que fica abespinhada, mas prefere um presidente em campo tirando fotos do que um governo hostil) e –por fim– a torcida. O campeão voltou! O resto? O resto é detalhe.

Poder360

Vídeo

Vídeo: Heron Cid frente a frente com Heron Cid


Mumificação

Dona Candinha já comprou um remédio para garantir que estará bem até conseguir se aposentar:

"Formol!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Ainda tem político no Brasil que se sinta confortável e seguro de trocar mensagens via aplicativos?
NÚMERO

1.500

Previsão de geração de empregos com a criação do HELP – Hospital de Ensino, Pesquisa e Laboratório – da Unifacisa, em Campina Grande.