Bastidores

Bolsonaro quer trocar embaixador por marqueteiro da direita radical (por Bruno Boghossian)

13 de julho de 2019 às 13h00

Eduardo Bolsonaro quer levar seu boné de Donald Trump para a embaixada brasileira em Washington. O presidente tentou vender a ideia de indicar o filho ao posto como uma jogada para estreitar os laços com os americanos. A escolha, no entanto, seria só mais uma patetice diplomática do governo.

O pai orgulhoso tentou exaltar o currículo do candidato: “Ele é amigo dos filhos do Trump, fala inglês, fala espanhol, tem vivência muito grande de mundo”. Inglês e espanhol são requisitos óbvios. A tal vivência de mundo não vale nada para a função. Sobrou a camaradagem com a primeira-família.

A embaixada em Washington é o posto mais importante da diplomacia brasileira no exterior. Bolsonaro vai ter dificuldades para convencer alguém de que escolheu o nome mais preparado para a vaga. No lugar de conhecimentos profundos sobre política internacional, comércio e economia, prevaleceram a ideologia, o alinhamento automático e a vontade de bajular os americanos.

Eduardo é o sujeito que disse apoiar uma ação armada para derrubar Nicolás Maduro na Venezuela só para repetir o discurso entoado na Casa Branca. Também já vestiu um gorro e gravou um vídeo na neve para insinuar, assim como Trump, que o aquecimento global é uma farsa.

Apesar de considerar a relação com os EUA uma prioridade, o governo deixou o posto vazio por seis meses. O presidente esperou para tratar do assunto porque Eduardo só completou na quarta (10) os 35 anos necessários para ocupar o cargo.

Bolsonaro afirmou que a ida do filho para a embaixada deve garantir ao Brasil um tratamento diferenciado na Casa Branca. É possível, mas seria ingenuidade acreditar que os americanos abririam mão de seus interesses ou fariam concessões significativas por causa desse parentesco.

Se Eduardo ganhar a vaga, o Brasil trocará um embaixador por um marqueteiro da direita radical. Ele até entende a língua de Trump, mas ficará falando sozinho se o Partido Democrata vencer a próxima eleição.

Folha
Vídeo

Entrevista: TJ “volta a respirar” com cortes na folha e ‘novo’ duodécimo


Na chapa

Dona Candinha sobre as últimas trapalhadas verbais do presidente:

"O filho frita hamburguer e o pai a si mesmo!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Todos no PSB ficaram felizes com a aprovação do governo João Azevêdo?
NÚMERO

62,7%

Percentual dos entrevistados da pesquisa Opinião/Arapuan que julgam o governador João Azevêdo como “trabalhador”.